Maternidade das mulheres em situação de rua: expressão de violação do direito à convivência familiar e comunitária?

  • Marcia Romovicz da Silva Souza UNINTER
  • Neiva Silvana Hack
  • Rosilaine dos Santos Gomes
  • Denise Erthal Almeida

Resumo

Esta pesquisa é consequência de inúmeras discussões relacionadas às mulheres em situação de rua e o desejo / direito de serem mães, pois têm o direito à maternidade. O objetivo geral delimitado foi compreender o direito à convivência familiar e comunitária e à maternidade das mulheres em situação de rua. Para alcançá-lo, realizou-se uma pesquisa descritiva, usando como metodologia a revisão bibliográfica e também documental; suas principais bases teóricas foram o Estatuto da Criança e do Adoloescente (ECA), o Plano Nacional de Políticas para Mulheres, a Consolidação das Leis Trabalhistas(CLT), entre outras legislações vigentes, além de artigos científicos apresentados no grupo de pesquisa População em situação de rua em Curitiba: perfil e vivências no território central da cidade. A pesquisa permitiu perceber que as mulheres em situação de rua são invisibilizadas no que se refere aos seus direitos de cidadania e que, muitas vezes, lhes é negado o direito à maternidade. Conclui-se sobre a necessária continuidade e aprofundamento de estudos neste campo temático.

Palavras-chave: situação de rua; maternidade; infância.

Abstract

This research is the result of numerous discussions related to homeless women and the desire/right to be mothers, as they have the right to motherhood. The delimited general objective was to understand the right to family and community life and to motherhood of homeless women. To achieve it, descriptive research was carried out, using as methodology the bibliographical and documentary review; its main theoretical bases were the Statute of the Child and Adolescent (ECA), the National Plan of Policies for Women, the Consolidation of Labor Laws (CLT), among other current legislation, as well as scientific articles presented in the research group Homeless people in Curitiba: profile and experiences in the city’s central territory. The research allowed us to realize that homeless women are made invisible concerning their citizenship rights and that they are often denied the right to motherhood. It concludes that is necessary to continue and deepen studies in this thematic field.

Keywords: street situation; maternity; childhood.

Resumen

Esta investigación es consecuencia de innumerables discusiones relacionadas con las mujeres que viven en la calle y el deseo / derecho de ser madres, pues tienen derecho a la maternidad. El objetivo general fue comprender el derecho a la convivencia familiar y comunitaria y a la maternidad de mujeres sin-techo. Para lograrlo, se realizó una investigación descriptiva, con revisión bibliográfica y documental como metodología; sus principales bases teóricas fueron el Estatuto del Niño y del Adolescente (ECA), el Plan Nacional de Políticas para Mujeres, la Consolidación de la Legislación Laboral (CLT), entre otras leyes vigentes, además de artículos científicos presentados en el grupo de investigación Población sin-techo en Curitiba: perfil y experiencias en el territorio central de la ciudad. El estudio permitió percibir que las mujeres sin-techo se hacen invisibles en lo que a sus derechos de ciudadanía se refiere y que, muchas veces, se les niega el derecho a la maternidad. Se concluye sobre la necesaria continuidad y profundización de estudios en esta área temática.

Palabras-clave: población sin techo; maternidad; infancia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcia Romovicz da Silva Souza, UNINTER

Bacharela em Serviço Social pelo Centro Universitário Internacional (UNINTER).

Neiva Silvana Hack

Assistente Social, Especialista em Gestão Social, Mestra em Tecnologia em Saúde. Professora do Curso de Serviço Social UNINTER.

Rosilaine dos Santos Gomes

Bacharela em Serviço Social UNINTER.

Denise Erthal Almeida

Professora do Curso de Serviço Social UNINTER e coordenadora do CST Gestão de Organizações do Terceiro Setor UNINTER.

Referências

ALMEIDA, Daiane Jenifer Ribeiro de; QUADROS, Laura Cristina de Toledo. A pedra

que pariu: Narrativas e práticas de aproximação de gestantes em situação de rua e usuárias de crack na cidade do Rio de Janeiro. Pesquisas e Práticas Psicossociais, São João Del Rei, v. 11, n. 1, jan./jun. 2016. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ppp/v11n1/18.pdf. Acesso em: 30 mar. 2021.

ANJOS, Eduardo Pereira dos. Quando a proteção integral é invocada para agravar a situação da criança. In: Consultor Jurídico, São Paulo, Tribuna da Defensoria, 06 out. 2020. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2020-out-06/tribuna-defensoria-quando-protecao-integral-invocada-agravar-situacao-crianca#author. Acesso em: 10 nov. 2020.

BRASIL. Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Brasília, Presidência da República, 1943. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del5452.htm. Acesso em: 21 maio 2019.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 21 maio 2019.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, e dá outras providências. Brasília: Câmara dos deputados, 1990. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1990/lei-8069-13-julho-1990-372211- publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 24 mar. 2020.

BRASIL. Misnistério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher. Princípios e diretrizes. Brasília: Misnistério da Saúde, 2004. Dsiponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nac_atencao_mulher.pdf. Acesso em: 24 mar. 2020.

BRASIL. Decreto nº 7.053 de 23 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional para a População em Situação de Rua e seu Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento, e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, 2009

BRASIL. Lei no 13.257, de 8 de março de 2016. Dispõe sobre as políticas públicas para a primeira infância e altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), o Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 (Código de Processo Penal), a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, a Lei nº 11.770, de 9 de setembro de 2008, e a Lei nº 12.662, de 5 de junho de 2012. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, 2016.

BRASIL. Lei nº 13.769 de19 de dezembro de 2018. Altera o Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 (Código de Processo Penal), as Leis n º 7.210, de 11 de julho de 1984 (Lei de Execução Penal), e 8.072, de 25 de julho de 1990 (Lei dos Crimes Hediondos), para estabelecer a substituição da prisão preventiva por prisão domiciliar da mulher gestante ou que for mãe ou responsável por crianças ou pessoas com deficiência e para disciplinar o regime de cumprimento de pena privativa de liberdade de condenadas na mesma situação.Brasília: Presidência da República, Casa Civil, 2018.

BRASIL. Secretaria de Políticas para Mulheres. Plano nacional de políticas para mulheres 2013-2015. Brasília: Sec. Políticas para Mulheres, 2013.

BRASIL. Secretaria de Políticas para Mulheres. Políticas públicas para mulheres. Documento online. Brasília: Sec. Políticas para Mulheres, 2018. Disponível em: https://www.gov.br/mdh/pt-br/navegue-por-temas/politicas-para-mulheres/arquivo/sobre/publicacoes/publicacoes/2012/politicas_publicas_mulheres. Acesso em 10 nov. 2020

CFESS, Conselho Federal de Serviço Social. O serviço social e o direito à convivència familiar e comunitária.In: CFESS manifesta, Brasília, 06 fev. 2018.

CFESS, Conselho Federal de Serviço Social. Machismo. Brasília: CFESS, 2019. (Serie Assistente Social no Combate ao Preconceito).

COSTA, Samira Lima et al. Gestantes em situação de rua no município de Santos, SP: reflexões e desafios para as políticas públicas. Saúde Soc., São Paulo, v. 24, n. 3, p.1089-1102, set. 2015.

CRUZ, Eliza. O marco legal da primeira infância sob a ótica da Defensoria Pública. In: Consultor Jurídico, São Paulo, Tribuna da Defensoria, 22 mar. 2016.

Disponível em: https://www.conjur.com.br/2016-mar-22/tribuna-defensoria-marco-legal-primeira-infancia-otica-defensoria-publica. Acesso em: 13 nov. 2020

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1988.

GOMES, Janaína Dantas Germano (coord.). Primeira infância e maternidade nas ruas da cidade de Sao Paulo. Relatório de Pesquisa. São Paulo, USP, 2017.

GOMES, Rosilaine dos Santos; MACHADO, Ana Paula; SOUZA, Marcia Romovicz da Silva. Direito à convivência familiar e comunitária e a maternidade das mulheres em situação de rua. Humanidades em Perspectivas, Curitiba, v. 5, n. 11, ed. esp., 2021.

HACK, Neiva Silvana; GOMES, Rosilaine dos Santos; SOUZA, Marcia. A mulher em situação de rua e as políticas públicas. ENFOC - ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 14.; FÓRUM CIENTÍFICO, 13.; SEMINÁRIO PIBID - PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA, 5., 2018, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: Uninter, 2018.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisa, amostragem e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas, 1988.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório publicações e trabalhos científicos. São Paulo: Atlas, 2001.

MORAES, Érika de. Ser mulher na atualidade: a representação discursiva da identidade feminina em quadros humorísticos de maitena. In: TASSO, I.; NAVARRO, P. (org.). Produção de identidades e processos de subjetivação em práticas discursivas [online]. Maringá: Eduem, 2012. p. 259-285. ISBN 978-85-7628-583-0. Disponível em: http://books.scielo.org/id/hzj5q/pdf/tasso-9788576285830-12.pdf. Acesso em: 11 nov 2020.

MINAYO, M. C. de S. (org.). Pesquisa social: teoria método e criatividade. 17. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

PERNAMBUCO. Ministério Público. Acolher: orientações sobre acolhimento institucional e familiar. Recife: Procuradoria Geral de Justiça, 2016.

RIOS, Ariane Goim. O fio de Ariadne: sobre os labirintos de vida de mulheres grávidas usuárias de alcool e outras drogas. 2017. 227 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) – UNICAMP, Campinas, 2017.

RODRIGUES, Graciela. Prólogo. In: RODRIGUEZ, Graciela (org.). O sistema financeiro e o endividamento das mulheres Rio de Janeiro: Instituto Equit Gênero, Economia e Cidadania Global, 2020.

RODRIGUES, Graciela. A financeiração da vida: as mulheres e o endividamento do cuidado. In: RODRIGUEZ, Graciela (org.). O sistema financeiro e o endividamento das mulheres Rio de Janeiro: Instituto Equit Gênero, Economia e Cidadania Global, 2020b.

SANTOS, Mariana Patrício Richter et al. Cidadania feminina: a invisibilidade das mulheres em situação de rua. In: ENFOC - ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 15.; FÓRUM CIENTÍFICO, 14.; SEMINÁRIO PIBID - PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA, 6.; SEMINÁRIO DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PEDAGÓGICA, 1., 2019, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: Uninter, 2019. Disponível em: https://www.even3.com.br/anais/enfocuninter2019/188784-cidadania-feminina--a-invisibilidade-das-mulheres-em-situacao-de-rua/. Acesso em: 30 mar. 2021.

SILVEIRA Anne Lise Sandoval Scappaticci; BLAY, Sergio Luis. Mães adolescentes em situação de rua: uma revisão sistemática da literatura. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, v. 32, n. 1, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rprs/a/RrtB3sFH7NMzsXYyxWpX5Nn/abstract/?lang=pt. Acesso em: 30 mar 2021.

RUI, Taniele. Usos da “Luz” e da “cracolândia”: etnografia de práticas espaciais. Saúde e Sociedade, São Paulo. v. 23, n. 1, p. 91-104, jan./mar. 2014.

VARANDA, Walter; ADORNO, Rubens de Camargo Ferreira. Descartáveis urbanos: discutindo a complexidade da população de rua e o desafio para políticas de saúde. Saúde e sociedade, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 56-69, abr. 2004.

Publicado
2021-10-08
Seção
Artigos