Desafios e estratégias dos Assistentes Sociais no acompanhamento à pessoa em situação de rua com transtorno mental

  • Odair Cesar de Lima Uninter
  • Neiva Silvana Hack Centro Universitário Internacional Uninter

Resumo

Este artigo é a síntese de resultados obtidos em pesquisa realizada para o TCC no curso de Serviço Social. Abordaremos o tema população em situação de rua com transtorno mental. O estudo explana e analisa os determinantes socio-históricos desse segmento social, decorrente das desigualdades sociais, cujas raízes históricas estão na questão social. Trataremos a atuação profissional dos assistentes sociais na área da saúde mental e assistência social. O caminho metodológico consolidou-se como pesquisa qualitativa orientada pelo método histórico-dialético. O objetivo geral foi conhecer as demandas e respostas dos assistentes sociais no atendimento à pessoa em situação de rua com transtorno mental.

Palavras-chave: população em situação de rua; saúde mental; Serviço Social.

Abstract

This article is the synthesis of results obtained in research carried out for an undergraduate thesis in Social Work. We will address the topic of homeless people with mental disorders. The study explains and analyzes the socio-historical determinants of this social segment, resulting from social inequalities, whose historical roots are in the social issue. We will deal with the professional performance of social workers in the area of mental health and social assistance. The methodological path was consolidated as qualitative research guided by the historical-dialectical method. The general objective was to know the demands and responses of social workers in caring for homeless people with mental disorders.

Keywords: homeless population; mental health; Social Work.

Resumen

Este artículo es la síntesis de resultados obtenidos en investigación realizada para el trabajo de conclusión del curso de Trabajo Social. Trataremos el tema población sin-techo con trastornos mentales. El estudio expone y analiza las determinantes sociohistóricas de ese segmento social, originado por las desigualdades sociales, cuyas raíces históricas están en la cuestión social. Consideraremos la acción profesional de los trabajadores sociales en el área de la salud mental y trabajo social. El recorrido metodológico se consolidó como investigación cualitativa orientada por el método histórico-dialéctico. El objetivo general fue conocer las demandas y respuestas de los trabajadores sociales en la atención a la persona sin-techo con trastorno mental.

Palabras-clave: población sin-techo; salud mental; Trabajo Social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Odair Cesar de Lima, Uninter

Bacharel em Serviço Social. Educador social no município de Fazenda Rio Grande.

Neiva Silvana Hack, Centro Universitário Internacional Uninter

Orientadora da Pesquisa. Assistente Social. Especialista em Gestão Social. Mestre em Tecnologia em Saúde. Professora do Curso de Bacharelado em Serviço Social do Centro Universitário Internacional Uninter.

Referências

AMARANTE, Paulo. O homem e a serpente: outras histórias para a loucura e a psiquiatria [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1996. SciELO Books.

AROUCA, Antônio Sérgio da Silva. Democracia é saúde. In: CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE, 8., 1987, Brasília. Anais [...]. Brasília, Ministério da Saúde, 1987. p. 35-42.

BARROS, Denise Dias. Cidadania versus periculosidade social: a desinstitucionalização como desconstrução de um saber. In: AMARANTE, Paulo (org.). Psiquiatria social e reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: Editora Fio Cruz, 1994. p. 171-94.

BARROS, Juliana de Oliveira. A construção de projetos terapêuticos no campo da saúde mental: apontamentos acerca das novas tecnologias de cuidados. 2010. 127 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

BISNETO, José Augusto. Serviço Social e saúde mental: uma análise institucional da prática. São Paulo: Cortez, 2007.

BISNETO, José Augusto. Serviço Social: uma análise institucional da prática. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

BOSCHETTI, Ivanete. Condições de trabalho e a luta dos(as) assistentes sociais pela jornada semanal de 30 horas. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 107, p. 557-584, set. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282011000300010&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 10 nov. 2020. https://doi.org/10.1590/S0101-66282011000300010.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 21 maio 2020.

BRASIL. Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993. Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências. Brasília, Presidência da República, 1993.

BRASIL. Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília, Presidência da República, 2001.

BRASIL. Lei n.º 11.258, de 30 de dezembro de 2005. Altera a Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização da Assistência Social, para acrescentar o serviço de atendimento a pessoas que vivem em situação de rua. Brasília, Presidência da República, 2005.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Rua: aprendendo a contar. Pesquisa nacional sobre a população em situação de rua. Brasília: MDS. Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação; Secretaria Nacional de Assistência Social, 2009a.

BRASIL. Resolução nº 109, de 11 de novembro de 2009. Aprova a Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. Brasília: MDS, Conselho Nacional de Assistência Social, 2009b.

BRASIL. Decreto nº 7.053 de 23 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional para a População em Situação de Rua e seu Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento, e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, 2009c.

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d7053.htm. Acesso em: 20 fev. 2020.

BRASIL. Lei nº 12.435, de 6 de julho de 2011. Altera a Lei no 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização da Assistência Social. Brasília, Presidência da República, 2011.

CERQUEIRA, Amarantha Sá Teles de. Evolução do processo social população em situação de rua: um estudo sobre pobreza, necessidades humanas e mínimos sociais. 2011. 97 f. Monografia (Bacharelado em Serviço Social) - Universidade de Brasília, Brasília, 2011.

CFESS. Resolução CFESS n. 273/1993, de 13 de março de 1993. Institui o Código de Ética profissional dos Assistentes Sociais e dá outras providências. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/resolucao_273-93.pdf. Acesso em: 20 fev. 2020.

CFESS. Parâmetros para atuação de assistentes sociais na Política de Saúde. Brasília: CFESS, 2010. (Série Trabalho e Projeto Profissional nas Políticas Sociais, 1). Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/Parametros_para_a_Atuacao_de_Assistentes_Sociais_na_Saude.pdf. Acesso em: 10 abr. 2020.

CFESS. Código de Ética do/a Assistente Social. Lei 8.662/93 de regulamentação da profissão. 10. ed. rev. e atual. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social, 2012. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/CEP_CFESS-SITE.pdf. Acesso em: 20 fev. 2020.

CFESS. Assistentes sociais defendem os direitos da população em situação de rua. Dia nacional de luta é celebrado em 19 de agosto. Entrevistados: Régia Prado; Leonildo Monteiro Filho. CFESS Notícias, Brasília, 18 ago. 2017. Disponível em: http://www.cfess.org.br/visualizar/noticia/cod/1401. Acesso em: 15 set. 2020.

FOUCAULT, M. A história da loucura. Tradução de José Teixeira Coelho Netto. São Paulo: Perspectiva, 1978.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

LONARDONI, Eliana et al. O processo de afirmação da assistência social como política social. Serviço Social em Revista, Londrina, v. 8, n. 2, jan./jun. 2006.

MACHADO, Thayse. População em situação de rua: uma relação marcada por preconceito e estigma. 2015. 78 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Serviço Social) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

MAGALHÃES, Rita de Cássia Barbosa Paiva; CARDOSO, Ana Paula Lima Barbosa. A pessoa com deficiência e a crise das identidades na contemporaneidade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 40, n. 139, abr. 2010.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria nº 122 de 25 de janeiro de 2011. Define as diretrizes de organização e funcionamento das Equipes de Consultório na Rua. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

MOCELIN, Ana Claudia. O exercício profissional dos assistentes sociais na saúde mental. 2015. 74 f. TCC (Bacharelado em Serviço Social) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

PAGOT, Maria Ângela. O louco, a rua, a comunidade: as relações da cidade com a loucura em situação de rua. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2012.

PEDRA, Marcelo. Consultório na rua e a vulnerabilidade social em tempos de pandemia. In: Informe Escola Nacional de Saúde Púbica Sérgio Arouca. ENSP, Rio de Janeiro, 15 set. 2020. Disponível em: http://informe.ensp.fiocruz.br/secoes/noticia/428/49969. Acesso em: 15 set. 2020.

PIANA, MC. A construção do perfil do assistente social no cenário educacional [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009. 233 p. ISBN 978-85-7983-038-9. SciELO Books.

ROSSI, Cintia Cristina Silva; TUCCI, Adriana Marcassa. Acesso ao tratamento para dependentes de crack em situação de rua. Psicologia & Sociedade, Recife, v. 32, p. 1-18, 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1807-0310/2020v32170161.

SILVA, Andreza Cristina da. Sentidos do centro pop para pessoas adultas em situação de rua: estudo de dois municípios. 2020. 103 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba, 2020.

SILVA, Maria Lucia Lopes da. Mudanças recentes no mundo do trabalho e o fenômeno população em situação de rua no Brasil 1995-2005. 2006. 220 f. Dissertação (Mestrado em Política Social) - Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

SPOSATI, Aldaiza. Assistência social em debate: direito ou assistencialização? In: Conselho Federal de Serviço Social. O trabalho do/a Assistente Social no Suas: seminário nacional. Gestão atitude crítica para avançar na luta. Brasília: CFESS, 2011.

TRINDADE, Hiago. Crise do capital, exército industrial de reserva e precariado no Brasil contemporâneo. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 129, p. 225-244, maio/ago. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/0101-6628.106. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282017000200225&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 05 nov. 2020.

VARANDA, Walter; ADORNO, Rubens de Camargo Ferreira. Descartáveis urbanos: discutindo a complexidade da população de rua e o desafio para políticas de saúde. Saúde e Sociedade. São Paulo, v. 13, n. 1, p. 56-69, abr. 2004. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-12902004000100007.

VÉRAS, Maura Pardini Bicudo. Exclusão social. Um Problema de 500 anos. In: SAWAIA, Bader (org.). As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social. Petrópolis: Vozes, 2001. p. 27-50.

Publicado
2021-10-08
Seção
Artigos