Hidrodessulfurização aplicada à indústria naval e desafios enfrentados por gestores de frotas marítimas

  • Flavio Luiz França de Jesus Centro Universitário Internacional Uninter
  • Lígia Fernanda Kaefer Mangini Centro Universitário Internacional Uninter

Resumo

A nova regulamentação da Organização Marítima Internacional (IMO), de janeiro de 2020, reduz a tolerância relativa ao teor máximo de enxofre no óleo combustível para conter a emissão de compostos organossulfurados produzidos por combustão, melhorar a qualidade do ar e evitar a formação dos ácidos sulfuroso e sulfúrico nas nuvens. Isto contribui para diminuir chuvas ácidas, degradação biológica e estrutural. O objetivo deste artigo, de caráter qualitativo, é tornar público o comprometimento do segmento naval com o meio ambiente através da redução dos teores de enxofre incinerados e lançados à atmosfera no processo de combustão dos motores de navios mercantes e de guerra que utilizam óleo combustível pesado. Aborda-se o processo de Hidrodessulfurização (HDS), sua finalidade, bem como meios alternativos de atendimento à regulamentação da International Maritime Organization (IMO 2020), tais como a aquisição de combustíveis com baixo teor de enxofre e alto valor agregado, a utilização de scrubbers de ciclos aberto ou fechado e a conversão para Gás Natural Liquefeito (GNL). Além disso, discutem-se os desafios enfrentados por gestores de frotas marítimas, as consequências da redução do teor de enxofre para as embarcações e os métodos de fiscalização das autoridades marítimas (Port State Control). Portanto, este trabalho pretende fornecer informações sobre redução de enxofre e os métodos alternativos para fins de consulta acadêmica e empresarial.

Palavras-chave: chuva ácida; hidrodessulfurização; craqueamento catalítico.

Abstract

New International Maritime Organization (IMO) regulations from January 2020 reduce tolerance on maximum sulfur content in fuel oil to reduce organosulfur compounds emissions produced by combustion, improve air quality, and prevent sulfurous and sulfuric acids formation in clouds. This contributes to decrease acid rain, biological and structural degradation. This article objective, of qualitative nature, is to make public the naval segment's commitment to the environment through the reduction of the sulfur contents incinerated and released to the atmosphere in combustion process of the engines of merchant and warship vessels that use heavy fuel oil. The Hydrodesulfurization (HDS) process is addressed, its purpose, as well as alternative means of compliance with International Maritime Organization (IMO 2020) regulations, such as the acquisition of fuels with low sulfur content and high added value, the use of open or closed cycle scrubbers and conversion to Liquefied Natural Gas (LNG). In addition, the challenges faced by marine fleet managers, the consequences of sulfur content reduction for vessels, and the enforcement methods of maritime authorities (Port State Control) are discussed. Therefore, this paper aims to provide information on sulfur reduction and the alternative methods for academic and business consultation purposes.

Keywords: acid rain; hydrodesulfurization; catalytic cracking.

Resumen

La nueva reglamentación de la Organización Marítima Internacional (IMO), de enero de 2020, reduce la tolerancia relativa al contenido máximo de azufre en el aceite combustible para contener la emisión de compuestos organosulfurados producidos por combustión, mejorar la calidad del aire y evitar la formación de ácido sulfuroso y sulfúrico en las nubes. Eso contribuye para disminuir lluvias ácidas, degradación biológica y estructural. El objetivo de este artículo, de carácter cualitativo, es hacer público el compromiso del sector naval con el medio ambiente a través de la reducción de los contenidos de azufre incinerados y lanzados a la atmósfera, en el proceso de combustión de motores de navíos mercantes y de guerra, que utilizan combustible pesado. Se estudia el proceso de hidrodesulfuración (HDS), su finalidad, así como medios alternativos de atención a la reglamentación de la International Maritime Organization (IMO 2020), tales como la adquisición de combustibles con bajo contenido de azufre y alto valor agregado, la utilización de scrubbers de ciclo abierto y la conversión para Gas Natural Licuado (GNL). Además, se discuten los retos enfrentados por gestores de flotas navales, las consecuencias de la reducción del grado de azufre para las embarcaciones y los métodos de fiscalización de las autoridades marítimas (Port State Control). Por lo tanto, este trabajo pretende ofrecer informaciones sobre reducción de azufre y los métodos alternativos para fines de consulta académica y empresarial.

Palabras-clave: lluvia ácida; hidrodesulfuración; craqueo catalítico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flavio Luiz França de Jesus, Centro Universitário Internacional Uninter

Graduando do curso de Química pelo Centro Universitário Internacional UNINTER.

Lígia Fernanda Kaefer Mangini, Centro Universitário Internacional Uninter

Professor Orientador no Centro Universitário Internacional UNINTER.

Referências

AGRICOPEL. Problemas causados pelo congelamento do diesel no tanque. Agricopel. [S.l.], 2020. Disponível em: http://blog.agricopel.com.br/congelamento-diesel/. Acesso em: 2 fev. 2022.

BATISTA, Carolina. Refino do petróleo. Toda matéria. [S.l.], 2019. Disponível em: https://www.todamateria.com.br/refino-petroleo/. Acesso em: 2 fev. 2022.

BRAGGIO, Flávia de Almeida. Avaliação do método de preparo de catalisadores NiMo/Al2O3 para a hidrodessulfurização de dibenzotiofeno. 2015. Dissertação (Mestrado em Química) — Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015. p. 29.

BRASIL. Comitê de Avaliação do Abastecimento de Combustíveis Aquaviários. Estudos da Resolução CNPE n.º 18/2019. Brasília: Ministério de Minas e Energia, 2019. p. 26.

CANCIAN, Rayelli Venturini. Estudo da distribuição de enxofre em frações destiladas de petróleos e análise multivariada das frações. 2010. Dissertação (Mestrado em Química) — Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2010.

CAPANA, Giulliano Humberto. Estudo do impacto do enxofre presente no diesel na emissão de poluentes e em tecnologia de pós-tratamento de gases de escape. 2008. Dissertação (Mestre Profissional em Engenharia Automotiva) — Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. p. 24.

COELHO, Pedro. Chuva ácida: causas, consequências e medidas de prevenção. ENGQUIMICASANTOSSP — Blog de engenharia química. [S.l.], 15 nov. 2013. Disponível em: https://www.engquimicasantossp.com.br/2013/11/chuva-acida.html. Acesso em: 2 fev. 2022.

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA (EPE). IMO 2020: a nova regulamentação de combustíveis marítimos. Rio de Janeiro: Ministério de Minas e Energia, 2019. p. 22.

FARIAS, Flávir. Entrevista “chuva ácida”. PBWORKS. [S.l.], 2007. Disponível em: http://proascg25.pbworks.com/w/page/18658922/Entrevista. Acesso em: 2 fev. 2022.

GOMES, Leonardo Henrique. Estudo do petróleo e suas principais técnicas analíticas. 2013. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Química Industrial) — Fundação Educacional do Município de Assis, Assis, 2013. p. 29.

INTERNATIONAL MARITIME ORGANIZATION (IMO). IMO2020 fuel oil sulphur limit — cleaner air, healthier planet. London: IMO, 2021. Disponível em: https://www.imo.org/en/MediaCentre/PressBriefings/pages/02-IMO-2020.aspx. Acesso em: 2 fev. 2022.

MARINHA DO BRASIL. Circular n.° 7/2019. Rio de Janeiro: Diretoria de Portos e Costas, 2019a. Disponível em: https://www.marinha.mil.br/dpc/sites/www.marinha.mil.br.dpc/files/legislacao/circulares/CIRCULAR%207-2019%20ANEXO%20VI%20MARPOL-1-4%20.pdf. Acesso em: 2 fev. 2022.

MARINHA DO BRASIL. Inspeção e vistoria naval. Rio de Janeiro: Diretoria de Portos e Costas, 2019b. Disponível em: https://www.marinha.mil.br/cprs/PerguntasInpecaoeVistoria. Acesso em: 2 fev. 2022.

MARINHA DO BRASIL. Portaria DPC/DGN/MB n.º 21, de 6 de julho de 2021. Aprova as Normas da Autoridade Marítima para Operação de Embarcações Estrangeiras em Águas Jurisdicionais Brasileiras NORMAM 04/DPC (1ª Revisão). Diário Oficial da União: seção 1, ed. 128, p. 58, Brasília, DF, 6 jul. 2021.

MOTTA, Rafaela Fernandes. Uso de gás natural em navios de apoio: infraestrutura de abastecimento. 2015. Projeto de Graduação (Engenharia Naval e Oceânica) — Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015. p. 14; 81; 93.

PEREIRA, Francisco Sávio Gomes. Petróleo e petroquímica. Recife: Instituto Federal Pernambuco, 2010. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Francisco-Pereira-57/publication/311995956_PETROLEUM_AND_PETROCHEMICAL_in_portuguese_PETROLEO_E_PETROQUIMICA/links/5868470108ae329d620dfd00/PETROLEUM-AND-PETROCHEMICAL-in-portuguese-PETROLEO-E-PETROQUIMICA.pdf. Acesso em: 2 fev. 2022.

PETROBRAS. Óleo diesel — informações técnicas. [S.l.], 2018. Disponível em: http://sites.petrobras.com.br/minisite/assistenciatecnica/public/downloads/diesel-manual.pdf. Acesso em: 2 fev. 2022.

RITTER, Stephen K. New approach plucks more sulfur from diesel fuel. Chemical & Engineering News, [S.l.], v. 95, issue 9, 27 fev. 2017. Disponível em: New approach plucks more sulfur from diesel fuel (acs.org). Acesso em: 2 fev. 2022.

SHENYANG BLOWER WORKS GROUP CORPORATION. Hydro treating and hydrocracking. [S.l.], 2018. Disponível em: http://www.sbw-turbo.com/lingyu.asp?id=16. Acesso em: 2 fev. 2022.

SILVA, André Luis Silva da. Petróleo como principal fonte de hidrocarbonetos. Info Escola. [S.l.], 2011. Disponível em: https://www.infoescola.com/quimica/petroleo-como-principal-fonte-de-hidrocarbonetos/. Acesso em: 2 fev. 2022.

STIRLING, John. Making sense of low sulphur fuel terminology: ULSFO RM/DM and VLSFO RM/DM. IBIA. [S.l.], 2017. Disponível em: https://ibia.net/2017/05/26/making-sense-of-low-sulphur-fuel-terminology-ulsfo-rmdm-and-vlsfo-rmdm/. Acesso em: 2 fev. 2022.

SZKLO, A. S.; ULLER, V. C.; BONFÁ, M. H. P. Fundamentos de refino de petróleo: tecnologia e economia. Rio de Janeiro: Interciência, 2012. p. 101.

TANAKA, F. L. Revisão dos métodos alternativos à hidrodessulfurização do diesel: desafios e perspectivas. 2018. Trabalho de Conclusão de Curso (Engenharia Química) — Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Francisco Beltrão, 2018. p. 24.

Publicado
2022-02-21
Seção
Artigos