A utilização de biocombustível como alternativa sustentável na matriz energética brasileira

  • Ana Paula Campos de Carvalho UNINTER
  • Rafael Lopes Ferreira

Resumo

RESUMO

O atual período de desenvolvimento econômico do país enfrenta processos de mudanças em sua estrutura econômica e de produção energética. A utilização de combustíveis fósseis contribui com a poluição atmosférica devido à liberação dos gases de efeito estufa, além de outros contaminantes, tais como NOx, SOx, CO, matéria particulada e compostos orgânicos voláteis. Diante de tais problemáticas, busca-se nesse trabalho refletir sobre a necessidade de mudanças a respeito dos processos de produção de energia que permitam um crescimento econômico mais sustentável, verificando o cenário energético brasileiro em relação à utilização de combustíveis poluentes e a atual alternativa dos biocombustíveis, que são obtidos a partir de fontes renováveis (óleos vegetais e gorduras animais). Porém, para que os biocombustíveis exerçam um papel importante na matriz energética são necessárias inovações, a fim de reduzir o seu custo de produção, empregando-se matéria-prima de alta produtividade, que não seja fonte alimentar da população.

Palavras-chave: Biocombustível, sustentabilidade, matriz energética brasileira.

ABSTRACT

 

The current Brazilian economic development struggles with changing processes in its economic structure and energy production. The use of fossil fuel is one of atmosphere polluting factors due to the release of greenhouse effect gases along with other contaminants, such as NOx, SOx, and CO, fragmented particles, and volatile organic composites. Thus, the following paper considers the need of changing the production processes, which would allow a more sustainable economic growth. It takes into consideration the Brazilian energy scenario regarding the use of pollutant fuels and the current alternative of biofuels, which are obtained through renewable sources (vegetable oils and animal fat). However, in order to make biofuels having an important role within the energy matrix there is the need of innovations to reduce its production cost by using high productivity raw material that are not obtained through human food source.

 

Keywords: Biofuel, sustainability, Brazilian energy matrix.       

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALISSON E (2014). Bioenergia necessita de políticas públicas para avançar em escala global. Disponível em: < http://agencia.fapesp.br/bioenergia_necessita_de_politicas_publicas_para_avancar_em_escala_global/20069/>. Data de acesso: 21 de outubro de 2014.

AZEREDO VBS (2012). Produção de biodiesel a partir de microalgas: estimativas de custos e perspectivas para o Brasil. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Planejamento Energético, COPPE, da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

ANTUNES R, SILVA IC (2010). Utilização de algas para produção de biocombustíveis. Cluster do conhecimento Energias Renováveis. Instituto Nacional de Propriedade Industrial.

BELLEN HMV (2003). Desenvolvimento sustentável: uma descrição das principais ferramentas de avaliação. Ambiente e Sociedade 7: 1 – 22.

BOZBAS K (2005). Biodiesel as an alternative motor fuel: production and policies in the European Union. Renewable and sustainable energy review. xx: 1 – 12.

BRONZATTI FL, NETO AI (2008). Matrizes energéticas no Brasil: cenário 2010 – 2030. XXVIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. A integração de cadeias produtivas com a abordagem da manufatura sustentável. Rio de Janeiro, RJ, Brasil 13 a 16 de outubr0 de 2008.

FRANCO ALC, LÔBO IP, CRUZ RS, TEIXEIRA CMLL, NETO JAA, MENEZES RS (2013). Biodiesel de microalgas: avanços e desafios. Química Nova 36: 437 – 448.

GOLDEMBERG J (2009). Ethanol for a sustainable energy future. Science 315: 808 – 810.

GOLDEMBERG J, LUCON O (2007). Energia e meio ambiente no Brasil. Estudos Avançados 27: 7 – 20.

GOMES LFS, SOUZA SNM, BARICCATTI RA (2008). Biodiesel produzido com óleo de frango. Acta Scientiarum Technology 30: 57 – 62.

GUARIEIRO LLN, VASCONCELLOS PC, SOLCI MC (2011). Poluentes atmosféricos provenientes da queima de combustíveis fósseis e biocombustíveis: uma breve revisão. Revista Virtual de Química 3: 434 – 445.

HOSSAIN ABMS, SALLEH A, BOYCE AM, CHOWDHURY P, NAQQIUDIN M (2008) Biodiesel fuel production from algae as renewable energy. American Journal of Biochemistry and Biotechnology 4: 250 – 254.

KIPERSTOK A (1999). Tecnologias limpas: por que não fazer já o que certamente virá amanhã? TecBAHIA 1: 1 – 9.

LOBO IP, FERREIRA SLC, CRUZ RS (2009). Biodiesel: parâmetros de qualidade e métodos analíticos. Química Nova, 32: 1596 – 1608.

MA F & HANNA MA (1999). Biodiesel production: a review. Bioresources Tecnology 70: 1 – 15.

MASIEIRO G, LOPES H (2008). Etanol e biodiesel como recursos energéticos alternativos: perspectivas da América Latina e da Ásia. Revista Brasileira de Política Internacional 2: 60 – 79.

MENDES APA & COSTA RC (2009). Mercado brasileiro de biodiesel e perspectivas futuras. BNDES. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Governo Federal.

MILANEZ AY, FILHO PSCF, ROSA SES (2008). Perspectivas para o etanol brasileiro. BNDES Setorial, 27: 21 – 38

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA (2015). Biodiesel. Disponível em < http://www.mme.gov.br/programas/biodiesel/menu/biodiesel/o_biodiesel.html>

Data de acesso: 12 de fevereiro de 2015.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE (2014). Biocombustíveis. Disponível em <http://www.mma.gov.br/clima/energia/energias-renovaveis/biocombustiveis> Data de acesso: 18 de dezembro de 2014.

NETO PRC, ROSSI LFS, ZAGONEL GF, RAMOS LP (2000). Produção de biocombustível alternativo ao óleo diesel através da trasesterificação de óleo de soja usado em frituras. Química Nova 23: 531 – 537.

RAJAGOPAL D, SEXTON SE, ROLAND-HOLST D, ZILBERMAN D (2007). Challenge of biofuel: filling the tank without emptying the stomach? Environmental Research Letters. IOP Publishing.

ROSA MF (2006). Situação Actual dos Biocombustíveis e Perspectivas Futuras. INETI - Departamento de Energias Renováveis, Lisboa.

SAUER IL, QUEIROZ MS, MIRAGAYA JCG, MASCARENHAS RC, JÚNIOR ARQ (2006). Energias renováveis: ações e perspectivas na Petrobras. Bahia Análise e Dados 16: 9 – 22.

TOMALSQUIM MT (2012). Perspectivas e planejamento do setor energético no Brasil. Estudos Avançados 26: 249 – 260.

TOMALSQUIM MT, GUERREIRO A, GORINI R. (2007). Matriz energética brasileira, uma prospectiva. Novos Estudos – CEBRAP 79: 47 – 69.

VICHI FM & MANSOR MTC (2009). Energia, meio ambiente e economia: o Brasil no contexto mundial. Química Nova, 32: 757 – 767.

Publicado
2017-04-12
Seção
Artigos