A logística reversa no descarte de medicamentos

  • Eliel de Oliveira de Oliveira UNINTER
  • Célio Luiz Banaszeski

Resumo

Resumo

O desenvolvimento tecnológico e científico, assim como as novas políticas públicas para redução de custos dos medicamentos, tem expandido o acesso populacional aos meios terapêuticos e, consequentemente, produzido aumento significativo de seu descarte inadequado no meio ambiente. Os resíduos de medicamentos originados da cadeia farmacêutica são encontrados tanto na indústria farmacêutica como nas instituições de serviços de saúde e nas residências domiciliares; quando descartados de maneira incorreta, podem gerar consequências lastimáveis ao meio ambiente e ao ser humano. Neste contexto, este artigo teve como principal objetivo trazer reflexões sobre a logística reversa no descarte de medicamentos. Para alcançar o objetivo proposto, procedeu-se a uma revisão bibliográfica, com base em autores que já discutiram o assunto. Observou-se que, cada vez mais, o desenvolvimento do planeta vem reforçando o conceito de sustentabilidade. Não apenas no uso dos diferentes recursos naturais, mas também no correto trato dos bens materiais disponíveis, como nas questões relacionadas à saúde. Portanto, cabe à sociedade cumprir a sua parte não só para seguir as normas da lei, isto é, dispor resíduos de modo a não agredir o meio ambiente, mas também exigindo dos governantes, assim como do setor industrial, a implantação da logística reversa de medicamentos.

Palavras-chave: Medicamentos. Logística reversa. Saúde. Descarte.

Abstract

Technological and scientific development and new public policies to reduce drug costs have expanded the population's access to therapeutic means and, consequently, produced a significant increase in their inappropriate disposal in the environment. Drug residues originating from the pharmaceutical chain are found both in the pharmaceutical industry and in other health service institutions and households; when improperly disposed of, they can create unfortunate consequences for the environment and human beings. In this context, the article had as main objective to reflect on the reverse logistics in medicines' disposal. A bibliographic methodology was carried out to achieve the proposed objective, based on authors who have already discussed the subject. It was observed that, more and more, the development of the planet has been reinforced the concept of sustainability. It is not only in the use of different natural resources but also in the correct treatment of available material goods, as in health matters. Therefore, it is up to society to fulfill its part not only to follow the norms of the law, that is, to dispose of waste in a way that does not harm the environment, but also requiring the government, as well as the industrial sector, to implement the reverse logistics of medicines.

Keywords: Medicines. Reverse logistic. Health. Discard.

Resumen

El desarrollo tecnológico y científico, así como las nuevas políticas públicas para la reducción de costos de los medicamentos, ha expandido el acceso de la población a medios terapéuticos y, en consecuencia, ha producido aumento significativo de su eliminación inadecuada en el ambiente. Los residuos de medicamentos originados en la cadena farmacéutica, como en las demás instituciones de servicios de salud y en las residencias, cuando desechados de forma incorrecta, pueden generar consecuencias lamentables sobre el medio ambiente y el ser humano. En ese contexto, este artículo tuvo como objetivo principal presentar reflexiones sobre la logística inversa en la eliminación de medicamentos. Para alcanzar el objetivo propuesto, se realizó revisión bibliográfica, sobre la base de autores que han tratado el tema. Se pudo observar que, cada vez más, el desarrollo del planeta ha venido fortaleciendo el concepto de sustentabilidad. No solo en el uso de los diferentes recursos naturales, sino también en el correcto tratamiento de los bienes materiales disponibles, como en las cuestiones relacionadas con la salud. Por lo tanto, le cabe a la sociedad cumplir con su parte, no solo en el cumplimiento de las normas de la ley, es decir, en la disposición de residuos de forma a no agredir el medio ambiente, sino también en la exigencia, a los gobernantes y al sector industrial, de implantación de la logística inversa de medicamentos.

Palabras-clave: Medicamentos. Logística inversa. Salud. Eliminación de medicamentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliel de Oliveira de Oliveira, UNINTER

O efeito reverso no descarte de medicamentos.

Referências

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Leandro O.; HOLANDA, Lucyanno M C.; CHAVES, Henrique Q. Como descartar medicamentos não consumidos? Estudo de caso com consumidores residentes na cidade de Caruaru, PE. In. XI Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia. 2014. Disponível em: <https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos14/35 620419.pdf>. Acesso em: 21 abr. 2019.

ALVES, Terezinha N P.; MATTOS, Ruben A.; VIEIRA, Rita C P. Medicamentos: conceitos, uso e problemas advindos do uso. In. Convibra saúde. 2012. Disponível em: <http://www.convibra.com.br/upload/paper/2012/55/2012_55_4105.pdf>. Acesso em: 21 abr. 2019.

ARAÚJO, Karla et al. Fármacos residuais: um problema de caráter ambiental. In. V Congresso de Pesquisa e Inovação da Rede Norte Nordeste de Educação Tecnológica – CONNEPI. 2010. Disponível em: <http://connepi.ifal.edu.br/ocs/index. php/connepi/CONNEPI2010/paper/viewFile/1418/467>. Acesso em: 22 abr. 2019.

BARATA-SILVA, Cristiane et al. Desafios ao controle de qualidade de medicamentos no Brasil. In. Caderno de Saúde Coletiva. v. 25, n. 3. Rio de Janeiro, RJ. 2017. p. 362-370.

BONDI, Letycia. Consulta pública sobre descarte de medicamentos. 2019. Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2019-01/consulta-publica-sobre-descarte-de-medicamento-termina-hoje>. Acesso em: 28 abr. 2019.

BRASIL. Diagnóstico dos resíduos sólidos de logística reversa obrigatória. 1. ed. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. 2012.

BRASIL. Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010. Política nacional de resíduos sólidos. 2. ed. Câmara dos Deputados, Edições Câmara. Brasília, 2012a.

BRASIL. Lei n° 12.305 de 2 de agosto de 2010. 2010. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>. Acesso em: 27 abr. 2019.

BRASIL. Medicamentos: consulta pública para decreto. 2019a. Disponível em: < http://mma.gov.br/informma/item/15243-descarte-de-medicamentos-ser%C3%A1.html>. Acesso em: 25 abr. 2019.

BRASIL. Projeto de Lei nº 595 de 2011: Acrescenta o art. 6-A a Lei nº 5.991 de 17 de dezembro de 1973, para dispor sobre o recolhimento e o descarte consciente de medicamentos. 2011. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/sileg/integras/8603 83.pdf>. Acesso em: 30 abr. 2018.

BRASIL. Regulamenta a Lei n° 12.305 de agosto de 2010, e institui a Logística Reversa de medicamentos descartados pelo consumidor. 2019. Disponível em: <http://consultaspublicas.mma.gov.br/medicamentos/wp-content/uploads/2018/10/de c-logistica-reversa1.pdf>. Acesso em: 23 abr. 2019.

BUENO, Cristiane S.; WEBER, D., OLIVEIRA, K. R. Farmácia caseira e descarte de medicamentos no bairro Luiz Fogliatto do município de Ijuí–RS. In. Revista de Ciência Farmacêutica Básica Aplicada. v.30, n.2, 2009. p. 75-82.

BULLER, Luz S. Logística empresarial. 1. Ed. Curitiba: IESDE, 2012.

CAMPOS, Alexandre; GOULART, Verci D G. Logística Reversa Integrada. 1. ed. São Paulo: Érica, 2017.

LIRA, Claudio A B et al. Conhecimento, percepções e utilização de medicamentos genéricos: um estudo transversal. In. Revista Einstein. v. 12, n. 3. 2014. p. 267-273.

MASSI, Viviane. A confusão da logística reversa de medicamentos no Brasil. 2019. Disponível em: < https://www.ictq.com.br/varejo-farmaceutico/844-a-confusao-da-logistica-reversa-de-medicamentos-no-brasil>. Acesso em: 27 abr. 2019.

MELO, Eduardo B.; TEIXEIRA, Jorge J V.; MÂNICA, Graciele C M. Histórico das tentaivas de liberação da venda de medicamentos em estabelecimentos leigos no Brasil a partir da implantação do Plano Real. In. Revista Ciência Saúde Coletiva. v.12, n. 5. 2007. p. 1333-1339.

OLIVEIRA, Carmem S. A. Atuação da administração pública no desenvolvimento sustentável. In. Revista Ciências Humanas. v. 3, n. 1, 2012.

PINTO, Gláucia M F. et al. Estudo do descarte residencial de medicamentos vencidos na região de Paulínia (SP), Brasil. In. Eng. Sanit. Ambient. v.19, n, 3. 2014. p. 219-224.

QUENTAL, Cristiane. SALLES FILHO, Sérgio. Ensaios clínicos: capacitação nacional para avaliações de medicamentos e vacinas. In. Revista Brasileira de Epidemiologia. v. 9, n. 4. 2006, p. 408 -424.

REIS FIHO, Ricardo W et val. Fármacos, ETE’s, e corpo hídricos. In. Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal. v. 2, n. 3, 2007. p. 54-61.

RODRIGUEZ, Dey S et al. A logística reversa utilizada no gerenciamento da cadeia de suprimentos como instrumento de vantagem competitiva. In. Revista Sistema e Gestão. v. 7, n. 4, 2012, p. 642-656.

ROZENFELD, Suely. Ensaios clínicos e indústria farmacêutica. In. Caderno de Saúde Pública. v.29, n. 12. 2013. p. 2368-2370.

SCHWINGEL, Débora et al. Farmácia caseira X uso irracional de medicamentos. In. Caderno Pedagógico. v.12, n. 3. 2015. p. 117-130.

SOUZA, Sueli F.; FONSECA, Sérgio U. Logística reversa: oportunidades para educação de custos em decorrência da evolução do fator ecológico. In. Revista Terceiro Setor. v. 3, n. 1, 2009, p. 29-39.

UEDA, Joe et al. Impacto ambiental do descarte de fármacos e estudo da conscientização da população a respeito do problema. In. Revista Ciências do Ambiente. v. 5, n. 1. 2009. p. 1-6.

Publicado
2021-04-15
Seção
Artigo