Poluição atmosférica como fator de risco à saúde humana e seu impacto na economia

  • Carolina Neiva Domingues Vieira de Rezende Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Resumo

Resumo

Todos os dias, o ser humano inala mais de 10.000 litros de ar. O que respiramos afeta nossa saúde. Os efeitos danosos da poluição atmosférica têm sido corroborados por evidências científicas. Um dos poluentes com maior efeito sobre a saúde é o material particulado fino (MP2,5). A poluição atmosférica é, hoje, um dos principais fatores de risco de mortalidade no mundo. A cada ano, 4,5 milhões de pessoas morrem por causa do ar poluído. O custo econômico disso também é alto. Por isso, compromissos têm sido firmados e medidas têm sido implementadas com vistas a reduzir os impactos desse mal.

Palavras-chave: Meio ambiente. Poluição atmosférica. Saúde coletiva.

Abstract

Every day, humans inhale more than 10,000 liters of air. What we breathe affects our health. The harmful effects of air pollution have been corroborated by scientific evidence. One of the pollutants with the greatest health effect is fine particulate matter (PM2,5). Air pollution is today one of the main mortality risk factors in the world. Each year, 4.5 million people die from polluted air. The economic cost related to this is also high. Therefore, commitments have been made and measures have been implemented to reduce their impacts.

Keywords: Environment. Atmospheric pollution. Collective health.

Resumen

Todos los días, el ser humano inhala más de 10.000 litros de aire. Lo que respiramos afecta a nuestra salud. Los efectos adversos de la contaminación atmosférica han sido confirmados por evidencias científicas. Uno de los contaminantes con efecto más importante sobre la salud es el material particulado fino (MP2,5). La contaminación atmosférica es, hoy día, uno de los principales factores de riesgo de mortalidad en el mundo. Cada año, 4,5 millones de personas mueren por el aire contaminado. El costo económico de eso también es alto. Por ello, acuerdos han sido firmados y medidas han sido adoptadas con el propósito de reducir los impactos de ese mal.

Palabras-clave: Medio ambiente. Polución atmosférica. Salud colectiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Neiva Domingues Vieira de Rezende, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Mestranda em Direitos Humanos com ênfase em Bioética pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Pós-graduada em Direito Notarial e Registral, pela Atame-DF. Graduada em Direito pela UniCEUB, em Antropologia pela Universidade de Brasília (UnB) e em Ciências Sociais – licenciatura, também pela UnB. Membro-pesquisadora do Grupo Bios – Bioética, Biodireito e Biopolítica da PUC-SP, credenciado pela CNPq. Bolsista CAPES. E-mail: cneivarezende@gmail.com

Referências

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988.

Brasil. Lei nº 6.803, Dispõe sobre as diretrizes básicas para o zoneamento industrial nas áreas críticas de poluição, e dá outras providências. 02 jul 1980.

Brasil. Lei nº 6.938, Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. 31 ago 1981.

Brasil. Saúde Brasil 2018 uma análise de situação de saúde e das doenças e agravos crônicos: desafios e perspectivas. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Brasil, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

Campos, I. Direito ao meio ambiente e o necessário controle da poluição atmosférica: a inovação trazida pelo estado do Espírito Santo. Revista Jurídica, 2(43), Curitiba, 2016. pp.534-558

[CETESB] Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Relatório de qualidade do ar no estado de São Paulo. 2018. Disponível em: https://cetesb.sp.gov.br/ar/publicacoes-relatorios/. Acesso em: fev 2020.

Cohen, A.; Brauer, M.; Burnett, R.; Anderson, R.; Frostad, J.; Estep, K.; Balakrishnan, K.; Brunekreef, B.; Dandona, L.; Dandona, R.; Feigin, V.; Freedman, G.; Hubbell, B.; Jobling, A.; Kan, H.; Knibbs, L.; Liu, Y.; Martin, R.; Morawska, L.; Pope III, A.; Shin, H.; Straif, K.; Shaddick, G.; Thomas, M.; Van Dingenen, R.; Van Donkelaar, A.; Vos, T.; Murray, C.; Forouzanfar, M. Estimates and 25-year trends of the global burden of disease attributable to ambient air pollution: an analysis of data from the Global Burden of Diseases Study 2015. 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(17)30505-6. Acesso em: 11 nov. 2019.

[Conama] Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 3, Dispõe sobre padrões de qualidade do ar. 28 jun 1990.

[Conama] Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 491. Dispõe sobre padrões de qualidade do ar. 19 nov 2018.

[Conama] Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 5, Dispõe sobre o licenciamento ambiental de obras de saneamento. 15 jun 1988.

Dapper, S.; Spohr, c.; Zanine, R. Poluição do ar como fator de risco para a saúde: uma revisão sistemática no estado de São Paulo. Estudos Avançados, 30(86), 83-97, 2016. DOI: 10.1590/S0103-40142016.00100006.

[DETRAN] Frota de Veículos em SP. Disponível em: https://www.detran.sp.gov.br/wps/wcm/connect/portaldetran/detran/detran/estatisticastransito/sa-frotaveiculos/d28760f7-8f21-429f-b039-0547c8c46ed1. Acesso em: 23 nov 2019.

El País. Ciudad de México activa un plan de contingencia tras cinco días de alta contaminación. México: 15 maio 2019. Disponível em: https://elpais.com/sociedad/2019/05/14/actualidad/15578 42830_886507.html. Acesso em: 23 nov 2019.

El País. Menos coches y una alerta preventiva: el nuevo plan de crisis ambiental de Ciudad de México. 23 maio 2019. Disponível em: https://elpais.com/sociedad/2019/05/22/actualidad/ 1558540044_502489.html. Acesso em: 23 nov 2019.

Espinosa, A.; Rodríguez, M.; Rosa, F.; Sánchez, J. Size distribution of metals in urban aerosols in Seville (Spain). Atmospheric Environment, 35(2), 2595-2601. 2001. DOI: 10.1016/S1352-2310(00)00403-9

Folha de S. Paulo. Mexicanos entram na Justiça por direito a ar limpo e vencem. 9 jun 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2019/06/mexicanos-entram-na-justica-por-direito-a-ar-limpo-e-vencem.shtml. Acesso em: 23 nov 2019.

Gatto, N.; Henderson, V.; Hodis, H.; St John, J.; Lurmann, F.; Chen, J.C.; Mack, W. Components of Air Pollution and Cognitive Function in Middle-aged and Older Adults in Los Angeles. Neurotoxicology, 40, 1-7, jan 2014. DOI: 10.1016/j.neuro.2013.09.004

[GBD] Global Burden Disease. Global, regional, national, and selected subnational levels of stillbirths, neonatal, infant, and under-5 mortality, 1980–2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study. The Lancet, out 2016.

Hupffer, H.; Weyermüller, A., Alves, D. O material particulado e o direito à qualidade do ar das gerações presentes e futuras. Revista Faculdade de Direito UFG, 40(1), 188 - 207, jan.-jun. 2016. DOI: 10.5216/RFD.V40I1.31966

[IARC] International Agency for Research on Cancer. Outdoor air pollution a leading environmental cause of cancer deaths. Lyon: WHO, 2013. Disponível em: <http://www.iarc.fr/en/media-centre/ iarcnews/pdf/pr221_E.pdf>. Acesso em: 15 nov. 2019.

[IBGE] Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Frota de Veículos. 2018. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/pesquisa/22/28120?tipo=grafico. Acesso em: 23 nov 2019.

[IHME] Institute for Health Metrics and Evaluation. The Cost of Air Pollution: Strenghthening the Economy Case for Action. World Bank, Washington, DC. 2016. Disponível em: https://openknowledge.worldbank.org/handle/10986/25013 Acesso em: 08 dez 2019.

JARRET, M. The death toll from air-pollution sources. Nature, 525, set 2015. DOI: 10.1038/525330A

Lelieveld, J.; Pöschl, U. Chemists can help to solve the air-pollution health crisis. Nature, 551, 291-293, 2017. DOI: 10.1038/d41586-017-05906-9

Mendes, A.; Costa, S.; Ferreira, J.; Leitão, J.; Torres, P.; Silveira, C.; Relvas, H; Lopes, M.; Monteiro, A.; Roebeling, P.; Miranda, A.I.; Teixeira, J.P.. Impactos da poluição atmosférica na saúde: perspetivas do projeto FUTURAR. Saúde Ambiental e Ocupacional. 2017.

[OMS] World Health Organization. Reducing global health risks through mitigation of short-lived climate pollutants. 2015. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/189524/9789241565080_eng.pdf;jsessionid=14E36F93DF1D5927C433B8950099AC79?sequence=1. Acesso em: 23 nov 2019.

Rodrigues, C.; Vormittag, E.; Cavalcante, J.; Saldiva, P. Projeção da mortalidade e internações hospitalares na rede pública de saúde atribuíveis à poluição atmosférica no Estado de São Paulo entre 2012 e 2030. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, 32(3), 489-509, set.-dez. 2015. DOI: S0102-3098201500000029

Santos, H. Relação entre poluentes atmosféricos e doenças neurodegenerativas. Unisanta Law and Social Science. 7(3), 413-416, 2018.

São Paulo. Decreto nº 59.113, Estabelece novos padrões de qualidade do ar e dá providências correlatas. 23 abr 2013.

Silva, D.; Suemoto, C.; Gouveia, N. Poluentes do ar como fator de risco para o desempenho cognitivo e demência. Cadernos de Saúde Pública. 2019. DOI: 10.1590/0102-311X00085919

Vormittag, E.; Costa, R.; Braga, A.; Miranda, M.; Nascimento, N.; Saldiva, P. Monitoramento da qualidade do ar no Brasil. Instituto Saúde e Sustentabilidade. 2014. Disponível em: http://www.saudeesustentabilidade.org.br/site/wp-content/uploads/2014/07/Monitoramento-da-Qualidade-do-Ar-no-Brasil-2014.pdf. Acesso em: 26 jul. 2015.

West, J.; Cohen, A.; Dentener, F.; Brunekreef, B.; Armstrong, B.; Bell, M.; Brauer, M.; Carmichael, G.; Costa, D.; Dockery, D.; Kleeman, M.; Krzyzanowski, M.; Künzli, N.; Liousse, C.; Lung, S.C.; Martin, R.; Pöschl, U.; Pope III, A.; Roberts, J.; Russell, A.; Wiedinmyer, C. What We Breathe Impacts Our Health: Improving Understanding of the Link between Air Pollution and Health. American Chemical Society, 4895-4904, mar. 2016. DOI: 10.1021/acs.est.5b03827

Publicado
2021-04-15
Seção
Artigo