A Gestão Ambiental no Exército Brasileiro

  • Paulo Fernando Santos da Silva
  • Renata Adriana Garbossa Silva
  • Mariana Andreotti Dias

Resumo

O presente artigo investiga um tema essencial para sociedade, a gestão ambiental. Tal gestão exige planejamento, conscientização, operacionalização de procedimentos e constante correção das ações, com vistas à sua evolução. Neste contexto, insere-se o Sistema de Gestão Ambiental do Exército Brasileiro (SIGAEB), que apresenta boas ferramentas para a gestão ambiental no âmbito da Força Terrestre. Como o Exército é uma instituição nacional, o SIGAEB deve ser usado em benefício de toda sociedade brasileira. Apesar da busca constante por aprimoramento, é importante salientar que este sistema evolutivo não é imune a falhas. Para alcançar os objetivos propostos, este trabalho foi dividido em três partes: inicialmente, apresenta-se um resumo histórico da criação e evolução do sistema; a segunda parte versa sobre seu funcionamento; e, por fim, reflete-se sobre suas ações e dinâmica. O objetivo geral da investigação é entender melhor o SIGAEB. Para tal, utilizou-se, como metodologia, a pesquisa bibliográfica. O propósito é compreender o histórico da legislação ambiental da Força Terrestre, suas intenções e evoluções — resultantes de avaliações realizadas, que funcionam como indicadores para aprimorar sua sistemática. Ao final, apresentamos considerações que talvez possam contribuir para a evolução do SIGAEB, com vistas à valorização desta ferramenta para a prevenção, proteção e recuperação do meio ambiente.

Palavras-chave: conscientização; evolução; gestão ambiental; operacionalização.

Abstract

This article investigates an essential theme for society, environmental management. This management requires planning, awareness, operationalization of procedures, and constant correction of actions, with a view to their evolution. In this context, the Environmental Management System of the Brazilian Army (SIGAEB) is included, which brings good tools for environmental management, within the scope of the Land Force. As the Army is a national institution, its environmental management system should be used for the benefit of the entire Brazilian society. Despite constantly seeking its improvement, it is important to highlight that this evolutionary system is not immune to failure. To achieve the proposed objectives, this work was divided into three parts: the initial part presents a historical summary of the creation and evolution of SIGAEB; the second deals with its functioning; and the last one brings reflections on its actions and dynamics. The general objective of the research is a greater understanding of SIGAEB. To this end, bibliographic research was used as a methodology. The purpose is to understand the history of environmental legislation of the land force, its intentions, and its evolution — resulting from evaluations carried out, which serve as indicators to improve its systematic. At the end of the paper, we present considerations that might contribute to the evolution of SIGAEB, to value this tool for the prevention, protection, and recovery of the environment.

Keywords: awareness; evolution; environmental management; operationalization.

Resumen

El presente artículo estudia un tema esencial para la sociedad, la gestión ambiental. Tal gestión exige planificación, concientización, operacionalización de procedimientos y constante corrección de acciones, para garantizar su desarrollo. En ese contexto, se ubica el Sistema de Gestión Ambiental del Ejército Brasileño (SIGAEB), que cuenta con buenas herramientas para la gestión ambiental en el ámbito de la Fuerza Terrestre. Como el Ejército es una institución nacional, el SIGAEB debe ser usado en beneficio de toda la sociedad brasileña. A pesar de su esfuerzo permanente en el sentido de mejorar, es importante indicar que ese sistema evolutivo no es inmune a fallas. Para alcanzar los objetivos propuestos, este trabajo se divide en tres partes: inicialmente se presenta un resumen histórico de la creación y desarrollo del sistema; la segunda parte trata de su funcionamiento; finalmente, se reflexiona sobre sus acciones y dinámica. El objetivo general de la investigación es entender mejor el SIGAEB. Para ello, se utilizó, como metodología, la revisión bibliográfica. El propósito es comprender la historia de la legislación ambiental de la Fuerza Terrestre, sus intenciones y desarrollo — resultantes de evaluaciones realizadas, que funcionan como indicadores fundamentales para perfeccionar el sistema. Al final, presentamos consideraciones que posiblemente puedan contribuir para el desarrollo del SIGAEB, con la intención de valorizar esa herramienta en la prevención, protección y recuperación del medioambiente.

Palabras-clave: concientización; evolución; gestión ambiental; operacionalización.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Fernando Santos da Silva

Licenciado e Bacharel em Geografia pela UNINTER.

Renata Adriana Garbossa Silva

Coordenadora da Área de Geociências - Escola Superior de Educação do Centro Universitário Internacional UNINTER.

Mariana Andreotti Dias

Doutoranda em Geografia da UFPR.

Referências

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 10 nov. 2020.

BRASIL. Decreto nº 14.273, de 28 de julho de 1920. Aprova o regulamento para o Campo de instrucção de Gericino. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, 28 ago. 1920. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1920-1929/decreto-14273-28-julho-1920-506637-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 10 nov. 2020.

BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 1981. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6938.htm. Acesso em: 11 nov. 2020.

BRASIL. Exército Brasileiro. Portaria nº 570 do Gabinete do Comandante do Exército, de 6 de novembro de 2001. Aprova a Política de Gestão Ambiental do Exército Brasileiro. Boletim do Exército, Brasília, DF, n. 46, 16 nov. 2001. Disponível em: http://www.sgex.eb.mil.br/sistemas/be/boletim_do_exercito/. Acesso em: 10 nov. 2020.

BRASIL. Exército Brasileiro. Portaria nº 050 do Estado-Maior do Exército, de 11 de julho de 2003. Aprova Orientação para a Elaboração dos Planos Básicos de Gestão Ambiental. Boletim do Exército, Brasília, DF, n. 29, 18 jul. 2003. Disponível em: http://www.eb.mil.br/documents/10138/65337/port050.pdf/37f23227-1e59-4397-b364-5a0df81c6e8a?version=1.0. Acesso em: 10 nov. 2020.

BRASIL. Exército Brasileiro. Portaria no 934, de 20 de dezembro de 2007. Determina a atualização do Sistema de Gestão Ambiental do Exército Brasileiro. Boletim do Exército, Brasília, DF, n. 52, 28 dez. 2007. Disponível em: http://www.eb.mil.br/c/document_library/get_file?uuid=63cca887-5bb6-4670-bcdb-71ffeb0ff1f9&groupId=10138. Acesso em: 11 nov. 2020.

BRASIL. Exército Brasileiro. Portaria nº 386 do Comandante do Exército, de 9 de junho de 2008. Aprova as Instruções Gerais para o Sistema de Gestão Ambiental no Âmbito do Exército (IG 20-10) e dá outras providências. Boletim do Exército, Brasília, DF, n. 29, 18 jul. 2008.

BRASIL. Exército Brasileiro. Portaria Nº 001-DEC, de 26 de setembro de 2011. Aprova as Instruções Reguladoras para o Sistema de Gestão Ambiental no Âmbito do Exército (IR 50 – 20). Boletim do Exército, Brasília, DF, n. 41, 14 out. 2011. Disponível em: http://www.sgex.eb.mil.br/sistemas/be/boletins.php. Acesso em: 08 mai. 2020.

BRASIL. Exército Brasileiro. Portaria N º 055-Dec, de 31 de agosto de 2018. Aprova a Diretriz do Programa de Conformidade Ambiental do Sistema de Gestão Ambiental do Exército Brasileiro (EB50-D-04.007). Separata ao Boletim do Exército, Brasília, DF, n. 38, 21 set. 2018.

BRASIL. Exército Brasileiro. O Exército Brasileiro e o Meio Ambiente II. Revista Verde-Oliva, Brasília, ano 38, n. 207, dez. 2010. Disponível em: https://en.calameo.com/exercito-brasileiro/read/00123820631f5310b0dae. Acesso em: 10 nov. 2020.

BRASIL. Exército Brasileiro. Centro de Instrução de Guerra na Selva. Revista Verde-Oliva, Brasília, ano 42, n. 225, out. 2014. Disponível em: https://en.calameo.com/exercito-brasileiro/read/001238206a0f69eb7b9f0. Acesso em: 20 nov. 2020.

CORDEIRO, G. R.; MOLINA, N. D.; DIAS, V. F. Orientações e dicas práticas para trabalhos acadêmicos. 2. ed. Curitiba: Intersaberes, 2014.

GUIMARÃES, M. A. Análise da Política de Meio Ambiente e da Diretriz Estratégica de Gestão Ambiental do Exército Brasileiro. 2009. 117 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Universidade de Brasília, Distrito Federal, Brasília, 2009.

JOANITI, R. A. Estágio de Meio Ambiente: Gestão Ambiental no Exército Brasileiro. Ambiente Virtual de Aprendizagem da DPIMA (AVPIMA), Exército Brasileiro, 2020. 2h30m.

MOURA, J. R. D.; PEREIRA, S. V.; FILHO, H. B. A conformidade ambiental militar: instrumento utilizado pelo exército brasileiro como apoio à gestão ambiental. Revista Contribuciones a las Ciencias Sociales, enero-marzo 2018. Disponível em: http://www.eumed.net/rev/cccss/2018/01/conformidade-ambiental-militar.html. Acesso em: 26 out. 2020.

NEVES, E. A gestão ambiental no Exército Brasileiro: ações e percepções. 2011. 93 f. Tese (Doutorado em Ciências na Área de Saúde Pública e Meio Ambiente) – Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, São Paulo, 2011.

SANTOS, M. A Questão do Meio Ambiente: Desafios para a Construção de uma Perspectiva Transdisciplinar. Revista de Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente, São Paulo, v.1, n.1, ago. 2006. Disponível em: http://www3.sp.senac.br/hotsites/blogs/InterfacEHS/wp-content/uploads/2013/07/2006-v1-trad-1.pdf. Acesso em: 02 jun. 2020.

Publicado
2021-07-20