Os jogos e as brincadeiras como recurso de aprendizagem na educação básica em ambientes físicos e digitais

  • Daniele Aparecida dos Santos Universidade Internacional Uninter
  • Elaine Oliveira Santos

Resumo

O objetivo desta pesquisa é reconhecer as contribuições dos jogos e das brincadeiras como recursos de aprendizagem na Educação Básica em ambientes físicos e digitais. Brincar é um direito da criança que, além de divertimento, proporciona oportunidades e recursos de aprendizagem, fatos que justificam este estudo. Por meio de pesquisa bibliográfica qualitativa, aborda-se a história do jogo em Marinho et al. (2012) e Volpato (2017), autores que tratam do conhecimento de regras e de estratégias, bem como da administração do tempo e do trabalho em equipe através de atividades lúdicas. Como recursos de aprendizagem, os jogos e as brincadeiras livres ou dirigidos colaboram com o processo de desenvolvimento da criança, proporcionando evolução cognitiva, física, psicológica e social. Neste sentido, segundo Rau (2012), educadores têm um papel fundamental. Alves (2008), entre outros, identifica a crescente presença da tecnologia no cotidiano das crianças, como através dos jogos eletrônicos. Portanto, a escola, ao utilizar jogos digitais, aproxima seus métodos da vivência do aluno e dinamiza o conteúdo a fim de motivar a participação discente no processo de aprendizagem. Em vista disto, esta pesquisa aponta a necessidade de os professores conhecerem e adotarem como recursos pedagógicos os jogos e as brincadeiras, considerando sua crescente contribuição à educação básica.

Palavras-chave: jogos; brincadeiras; aprendizagem; ambientes físicos e digitais.

Abstract

This research goal is to recognize the contributions of games and play as learning resources in Basic Education in physical and digital environments. Playing is a child's right that, besides having fun, provides opportunities and learning resources, facts that justify this study. Through qualitative bibliographic research, the history of play is addressed in Marinho et al. (2012) and Volpato (2017), authors who deal with rules and strategies knowledge, as well as time management and teamwork through playful activities. As learning resources, games and free or directed play collaborate with the child's development process, providing cognitive, physical, psychological, and social evolution. About this, according to Rau (2012), educators have a fundamental role. Alves (2008), among others, identify the growing presence of technology in children's daily lives, such as through electronic games. Therefore, the school, when using digital games, brings its methods closer to the student's experience, makes the content more dynamic to motivate the student's participation in the learning process. Therefore, this research points out the need for teachers to know and adopt games and plays as pedagogical resources, considering their growing contribution to basic education.

Keywords: games; play; learning; physical and digital environments.

Resumen

El objetivo de esta investigación es reconocer los aportes de los juegos como recursos de aprendizaje en la Educación Básica en entornos físicos o digitales. Jugar es un derecho de los niños que, además de diversión, ofrece oportunidades y recursos de aprendizaje, hechos que justifican este estudio. Por medio de investigación bibliográfica cualitativa, se estudia la historia del juego en Marinho et al. (2012) y Volpato (2017), autores que tratan el conocimiento de reglas y estrategias, así como la administración del tiempo y del trabajo en grupo a través de actividades lúdicas. Como recursos de aprendizaje, los juegos libres o dirigidos colaboran con el proceso de desarrollo del niño, estimulando la evolución cognitiva, física, psicológica y social. En ese sentido, según Rau (2012), los educadores tienen un rol fundamental. Alves (2008), entre otros, identifica la creciente presencia de la tecnología en lo cotidiano de los niños, a través de los juegos electrónicos. Por lo tanto, la escuela, al utilizar juegos digitales, acerca sus métodos a las vivencias del alumno y dinamiza el contenido con el fin de motivar la participación estudiantil en el proceso de aprendizaje.  Frente a ello, esta investigación indica la necesidad de que los docentes conozcan y adopten los juegos como recursos pedagógicos, considerándose su creciente aporte a la educación básica.

Palabras-clave: juegos; aprendizaje; entornos físicos y digitales.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniele Aparecida dos Santos, Universidade Internacional Uninter

Acadêmica no curso de Licenciatura em Pedagogia no Centro Universitário UNINTER.

Elaine Oliveira Santos

Docente no Centro Universitário Internacional UNINTER

Referências

ANTUNES, C. Jogos para a estimulação de múltiplas inteligências. Petrópolis: Vozes, 2011.

ANTUNES, C. O jogo e a educação infantil: falar e dizer, olhar e ver, escutar e ouvir. Petrópolis: Vozes, 2017.

BARRETOS. D. B. et al. Recreação escolar: o brinquedo, a brincadeira e o jogo na educação da infância. REUNI, São Paulo, v. VIII, p. 140-150, 2017.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEB/DICEI, 2013.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília: Senado Federal; Coordenação de Edições Técnicas, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CORREIA, M. M. Trabalhando com jogos cooperativos: em busca de novos paradigmas na educação física. Campinas: Papirus, 2015.

CREPALDI, R. Jogos, brinquedos e brincadeiras. Curitiba: IESDE Brasil S. A., 2010.

FREIRE, Paulo. A importância do Ato de Ler: três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 1989.

KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo e brincadeira na educação. São Paulo: Cortez, 2017.

KISHIMOTO, T. M. O jogo e a educação infantil. São Paulo: Pioneira, 1994.

LORO, A. P. Jogos e brincadeiras: pluralidade interventivas. Curitiba: Intersaberes, 2018.

MARINHO, H. et al. Pedagogia do movimento: universo lúdico e psicomotricidade. Curitiba: InterSaberes, 2012.

ORLICK, T. Vencendo a competição. São Paulo: Círculo do Livro, 1989.

RAU, M. A ludicidade na educação: uma atitude pedagógica. Curitiba: Ibpex, 2013.

RAU, M. Educação infantil: práticas pedagógicas de ensino e aprendizagem. Curitiba: InterSaberes, 2012.

RIBEIRO, J. et al. Teorias de Aprendizagem em Jogos Digitais Educacionais: um Panorama Brasileiro. Novas tecnologias na Educação, Porto Alegre, v. 13, n. 1, p. 1-10, 2015.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2017.

SILVA, M. Metodologia do ensino de educação física: teoria e prática. Curitiba: InterSaberes, 2016.

SOBREIRA, E. S. R.; VIVEIRO, A. A.; D’ABREU, J. V. V. Cultura maker e jogos digitais. In: MEIRA, Luciano; BLIKSTEIN, Paulo (orgs.). Ludicidade, jogos digitais e gamificação na aprendizagem. Porto Alegre: Penso, 2020. v. 3.

SOUZA, R. P. et al. Tecnologias digitais na educação. Campina Grande: EDUEPB, 2011.

TAVARES, L. M. Histórico dos jogos. Curitiba: Intersaberes, 2021.

VOLPATO, G. Jogo, brincadeira e brinquedo: usos e significados no contexto escolar e familiar. 2. ed. Santa Catarina: Annablume, 2017.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

Publicado
2022-05-20