A importância da afetividade na educação infantil

  • Jaqueline Fischer Centro Universitário Internacional - UNINTER

Resumo

O presente artigo investiga o afeto como recurso para o desenvolvimento biopsicossocial no âmbito da educação infantil. Para tal, analisaram-se: (a) o histórico e conceito de educação infantil; (b) o papel da afetividade nesta etapa de ensino; (c) e a legislação vigente. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, com caráter qualitativo, embasada em autores como Silva (2019), Cegalla (2005), Souza (2011), Wallon (2003), Vygotsky (2010) e Inocêncio (2021). Os principais resultados demonstraram que a afetividade pode proporcionar vínculos significativos entre docentes e discentes, o que interfere positivamente em diferentes esferas do desenvolvimento infantil. 

Palavras-chave: afetividade; educação infantil; desenvolvimento infantil. 

Abstract 

 This article investigates the relevance of affection as a resource for biopsychosocial development in the early childhood education context. To this end, we analyzed: (a) the history and concept of early childhood education; (b) the role of affectivity in early childhood education; (c) and the legislation in force. This study is bibliographic research, of qualitative nature, based on authors such as Silva (2019), Cegalla (2005), Souza (2011), Wallon (2003), Vygotsky (2010), and Inocêncio (2021). The main results demonstrated that affectivity could provide significant bonds between teachers and students, which positively interfere in different spheres of child development. 

Keywords: affectivity; early childhood education; child development. 

Resumen 

Este artículo investiga el afecto como recurso para el desarrollo biopsicosocial en el contexto de la educación infantil. Para ello, analizamos: (a) la historia y el concepto de educación infantil; (b) el papel de la afectividad en esa etapa de la educación; (c) y la legislación vigente. Se trata de una investigación bibliográfica de carácter cualitativo, basada en autores como Silva (2019), Cegalla (2005), Souza (2011), Wallon (2003), Vygotsky (2010) e Inocêncio (2021). Los principales resultados mostraron que el afecto puede generar vínculos significativos entre docentes y estudiantes, lo que interfiere positivamente en diferentes esferas del desarrollo infantil. 

Palabras-clave: afectividad; educación infantil; desarrollo infantil. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, L.B.P. Educação infantil: discurso, legislação e práticas institucionais. São Paulo: Cultura Acadêmica; Editora UNESP, 2010. 193 p.

ANDRADE, M. O processo de adaptação e a importância do acolhimento na educação infantil. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Pedagogia) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2016.

ANTUNES, C. A afetividade na escola: educando com firmeza. Londrina: Maxiprint, 2006.

BELTHER, J. (org.). Educação Infantil. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2017.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 25 maio 2021.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 25 maio 2021.

BRASIL. Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 jul. 1990. Disponível em: http:// https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm#art266. Acesso em: 16 dez. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental.

Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

CORRÊA, Bianca Cristina. Educação infantil. In: OLIVEIRA, Romualdo Portela; ADRIÃO, Theresa (org.). Organização do ensino no Brasil: níveis e modalidades na Constituição Federal e na LDB. São Paulo: Xamã, 2002.

DAUTRO, G; LIMA, W. A teoria psicogenética de Wallon e sua aplicação na educação. In: Congresso Nacional de Educação, 5., 2018, Campina Grande. Anais [...]. Campina Grande: Editora Realize, 2018. Disponível em: https://editorarealize.com.br/editora/anais/conedu/2018/TRABALHO_EV117_MD1_SA4_ID392_10092018225535.pdf .Acesso em: 27 set. 2021.

EMILIANO, J.; TOMÁS, D. Vigotski: a relação entre afetividade, desenvolvimento e aprendizagem e suas implicações na prática docente Cadernos de Educação: Ensino e Sociedade, Bebedouro, v. 2, n. 1, p. 59-72, 2015.

FREITAS, E. A Educação Infantil no Brasil: limites e perspectivas. 2019. 39 f. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura em Educação) – Universidade Federal do Pará, Castanhal, 2019.

FULY. V; VEIGA. G. Educação infantil: da visão assistencialista. Interfaces da Educação, Paranaíba, v. 2, n. 6, p. 86-94, 2012.

INOCÊNCIO, Kellin. Alfabetizar com Paulo freire: Aprendendo a ler a palavra pela leitura do mundo. 2021. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2021. Disponível em: https://www.pucpr.br/escola-de-educacao-e-humanidades/mestrado-e-doutorado/producao-academica/. Acesso em: 4 dez. 2021.

JUSTINO, M. Pesquisa e recursos didáticos na formação e prática docentes. Curitiba, Intersaberes, 2013. E-book.

KOCHHANN, A; ROCHA, V. Afetividade no processo ensino-aprendizagem na perspectiva de Piaget, Vygotsky e Wallon. In: SEMANA DE INTEGRAÇÃO, 4.: SEMANA DE LETRAS, 12.; SEMANA DE PEDAGOGIA, 15.; SIMPÓSIO DE PESQUISA E EXTENSÃO (SIMPEX), 1., 2015, Inhumas. Anais [...]. Inhumas: UEG, 2015. Disponível em: https://www.anais.ueg.br/index.php/semintegracao/article/view/5567. Acesso em: 17 maio 2022.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1991.

MOCELIN, M; SILVA, W. Gestão e docência: perspectiva e epistemológica. Curitiba: InterSaberes, 2019.

MORTATTI, M. Alfabetização no Brasil: conjecturas sobre as relações entre políticas públicas e seus sujeitos privados. Revista Brasileira de Educação, Marília, v. 15, n. 44, maio/ago. 2010.

NASCIMENTO, C; BRANCHER, V; OLIVEIRA, V. A construção social do conceito de infância: algumas interlocuções históricas e sociológicas. Revista Contexto & Educação, [S.l.], v. 23, n. 79, p. 47-63, 2011. Disponível em:

https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/contextoeducacao/article/view/1051. Acesso em: 15 jul. 2021.

PASCHOAL, Jaqueline Delgado; MACHADO, Maria Cristina Gomes; A História da Educação Infantil no Brasil: avanços, retrocessos e desafios dessa modalidade educacional. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 33, p.78-95, mar. 2009. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639555/7124. Acesso em: 12 maio 2020.

RAU, M. Educação infantil: práticas pedagógicas de ensino e aprendizagem. Curitiba: InterSaberes, 2012.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, Edvânia dos Santos; SANTOS, Stefanny Alves dos; JESUS, Vanessa Matias de. O desenvolvimento cognitivo infantil sob ótica de Jean Piaget. Revista FSLS, [S.l.], 2016. Disponível em: https://portal.fslf.edu.br/wp-content/uploads/2016/12/tcc9-6.pdf. Acesso em: 17 maio 2022.

SILVA, G. A importância da afetividade no processo de aprendizagem na educação infantil. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 6., 2019, Fortaleza. Anais [...]. Fortaleza: Editora Realize, 2019. Disponível em: https://editorarealize.com.br/editora/ebooks/conedu/2019/ebook2/PROPOSTA_EV127_MD4_ID9398_30082019201912.pdf. Acesso em: 15 jul. 2021.

SOARES. C; SOARES, M. Sistemas de ensino legislação e política educacional básica. Curitiba: InterSaberes, 2017.

SOUZA, T; SOARES, H. A afetividade na educação infantil. Revista Científica Online, [S.l.], v.11, n.1, 2019. Disponível em: http://www.atenas.edu.br/uniatenas/assets/files/magazines/A_AFETIVIDADE_NA_EDUCACAO_INFANTIL.pdf. Acesso em: 10 jan. 2021.

Publicado
2022-05-20