A luta pela reforma agrária: a redistribuição fundiária para o desenvolvimento socioeconômico

Autores

  • Guilherme Velho
  • Renata Adriana Adriana Garbossa Centro Universit
  • Mariana Andreotti Dias

Resumo

A reforma agrária é um assunto urgente para o Brasil. Em toda a sua história, o país viveu momentos decisivos para a atual conjuntura, como a extrema concentração fundiária. O agronegócio é o setor responsável por manter a balança comercial estável; no entanto, gera desigualdades na área agrícola, desencadeando problemas sociais e atritos no campo. As propriedades de agricultura familiar são responsáveis por mais de 70% dos empregos no campo, porém correspondem a apenas 12% da área total das unidades agrícolas. O estado de Santa Catarina é um pioneiro na agricultura familiar, com pouca concentração de terra e um dos melhores índices de desenvolvimento humano do país. Apesar da relevância, as pequenas propriedades ainda têm dificuldade de acesso ao crédito rural ou financiamentos. Assim, esta pesquisa objetiva apresentar os dados oficiais sobre o estrato fundiário brasileiro e refletir sobre as teorias acerca do tema. Quanto à metodologia, trata-se de uma pesquisa qualitativa, de cunho bibliográfico, embasada em autores conceituados da área. Ao final da pesquisa, observou-se a conivência do Estado com os latifúndios e o desinteresse pelos movimentos em prol da reforma agrária; ademais, compararam-se os índices elencados, evidenciando a disparidade entre pequenos produtores — responsáveis pela alimentação do país — e os grandes latifundiários, focados apenas no lucro.

Palavras-chave: reforma agrária; desenvolvimento socioeconômico; MST.

Abstract

Agrarian reform is an urgent matter for Brazil. Throughout its history, the country has experienced decisive moments in the current situation, such as extreme land concentration. Agribusiness is the sector responsible for keeping the trade balance stable; however, it generates inequalities in the agricultural area, triggering social problems and conflicts in the field. Family farms account for more than 70% of jobs in the countryside but account for only 12% of the total area of agricultural units. The state of Santa Catarina is a pioneer in family farming, with little land concentration and one of the best human development rates in the country. Despite the relevance, small properties still have difficulty accessing rural credit or financing. Thus, this research aims to present the official data on the Brazilian land stratum and reflect on the theories on the subject. As for the methodology, this is qualitative research, of a bibliographic nature, based on renowned authors of the area. At the end of the research, the State's connivance with the latifundia and the lack of interest in the agrarian reform movements were observed; in addition, the indexes listed were compared, evidencing the disparity between small producers — responsible for the country's food — and large landowners, focused only on profit.

Keywords: agrarian reform; socioeconomic development; MST.

Resumen

La reforma agraria es un tema urgente en Brasil. Durante toda su historia, el país ha vivido momentos decisivos para la actual coyuntura, como la extrema concentración de las tierras. El agronegocio es el sector responsable por mantener la balanza comercial estable; sin embargo, produce desigualdades en el área agrícola, desencadenando problemas sociales y conflictos en el campo. Las propiedades de agricultura familiar son responsables por más de 70% de los empleos en el campo, pero corresponden solo a 12% del área total de las unidades agrícolas. El estado de Santa Catarina es pionero en la agricultura familiar, con baja concentración de tierras y uno de los mejores índices de desarrollo humano en el país. A pesar de su relevancia, las pequeñas propiedades aún tienen dificultad de acceso al crédito rural o a financiamientos. Por ello, esta investigación pretende presentar datos oficiales sobre la concentración de tierras en el Brasil y reflexionar sobre teorías acerca del tema. En lo metodológico, se trata de una investigación cualitativa, de orden bibliográfico, apoyada en autores reconocidos en el área. Al final de la investigación, se pudo observar la connivencia del Estado con los latifundios y su falta de interés por los movimientos en favor de la reforma agraria; además, se compararon los índices obtenidos, los cuales ponen en evidencia la disparidad entre los pequeños productores — responsables por la alimentación del país — y los grandes latifundios, orientados exclusivamente al lucro.

Palabras-clave: reforma agraria; desarrollo socioeconómico; MST.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Velho

Acadêmico no curso de Geografia do Centro Universitário Internacional UNINTER

Renata Adriana Adriana Garbossa, Centro Universit

Professora do Centro Universitário Internacional – Uninter. Coordenadora da Área de Geociências

Mariana Andreotti Dias

Professora do Centro Universitário Internacional – Uninter.

Referências

BRASIL. Lei nº 4.504, de 30 de novembro de 1964. Dispõe sobre o Estatuto da Terra, e dá outras providências. Brasília: Presidência da República; Casa Civil, 1964. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4504compilada.htm. Acesso em: 18 jul. 2021.

BRASIL. Lei nº 8.629, de 25 de fevereiro de 1993. Dispõe sobre a regulamentação dos dispositivos constitucionais relativos à reforma agrária. Brasília: Presidência da República; Casa Civil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8629.htm. Acesso em: 16 ago. 2021.

CABRAL, C. P. J.; ROCHA, S. J. R. Aspectos históricos da questão agrária no Brasil. Produção Acadêmica, Porto Nacional, v. 2, n. 1, p. 75–86, 2016.

CARTER, M. Combatendo a desigualdade social – O MST e a reforma agrária no Brasil. São Paulo: UNESP, 2010.

EUSÉBIO, S. G.; TONETO, R. Uma análise do acesso ao crédito rural para as unidades produtivas agropecuárias do estado de São Paulo: um estudo a partir do Lupa. Planejamento e políticas públicas, São Paulo, n. 38, p. 133-152, junho, 2012. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/3984/5/PPP_n38_Analise.pdf. Acesso em: 11 set. 2021.

GUANZIROLI, C. et al. Agricultura Familiar e Reforma Agrária no Século XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2001.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Atlas do espaço rural brasileiro. 2017. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101773_cap2.pdf. Acesso em: 08 set. 2021.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Agropecuário, 2017. Rio de Janeiro: IBGE, 2019. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/3096/agro_2017_resultados_definitivos.pdf. Acesso em: 07 set. 2021.

IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Desenvolvimento humano nas macrorregiões brasileiras. Brasília: PNUD; IPEA; FJP, 2016.

MARCELINO, C. A. A. S. Metodologia de pesquisa. Curitiba: Contentus, 2020.

MATEUS, O. A. K.; PEREIRA, S. R. Os movimentos sociais e a luta pelo direito a terra. In: FIPED, 8., Imperatriz. Anais [...]. Campina Grande: Realize Editora, 2016. Disponível em: https://www.editorarealize.com.br/editora/anais/fiped/2016/TRABALHO_EV057_MD1_SA4_ID4926_30092016234533.pdf. Acesso em: 2 nov. 2021.

NORONHA, G. S.; FALCÓN, M. L. O. A disputa entre modelos para o campo: apontamentos sobre a questão agrária no Brasil em busca de um novo paradigma. Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 42, n. 3, p. 183-198, nov. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/sdeb/v42nspe3/0103-1104-sdeb-42-spe03-0183.pdf. Acesso em: 14 mar. 2021.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948. Disponível em: https://www.ohchr.org/EN/UDHR/Documents/UDHR_Translations/por.pdf. Acesso em: 02 nov. 2021.

PEROVANO, G. D. Manual de metodologia da pesquisa científica. Curitiba: Intersaberes, 2016.

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA, DA PESCA E DO DESENVOLVIMENTO RURAL. Santa Catarina dá início à década de incentivo à agricultura familiar. 2021. Disponível em: https://www.agricultura.sc.gov.br/santa-catarina-da-inicio-a-decada-de-incentivo-a-agricultura-familiar/. Acesso em: 2 nov. 2021.

SENAR – Serviço nacional de aprendizagem rural. Prioridades e principais dificuldades no acesso ao crédito e seguro rural plano agrícola e pecuário 2021/2022. 2021. Disponível em: https://www.cnabrasil.org.br/assets/arquivos/RESULTADO_PESQUISA_PRODUTORES_ATEG-PAP2021_2022.pdf. Acesso em: 11 set. 2021.

SILVA, D. N. Capitanias Hereditárias. Brasil Escola, [S.l.], 2020. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiab/capitanias-hereditarias.htm. Acesso em: 15 ago. 2021.

WESTIN, R. Há 170 anos, Lei de Terras oficializou opção do Brasil pelos latifúndios. El País, [S.l.], 2020. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2020-09-16/ha-170-anos-lei-de-terras-oficializou-opcao-do-brasil-pelos-latifundios.html#:~:text=H%C3%A1%20exatamente%20170%20anos%2C%20o,e%20n%C3%A3o%20em%20pequenas%20propriedades. Acesso em: 15 ago. 2021

Downloads

Publicado

2022-09-22