Governança global e zonas periféricas continentais de influência dos BRICS

  • Luiz Rodrigo Bonette Centro Universitários Estácio Ribeirão PretoUniversidade Metodista de São Paulo

Resumo

Este artigo tem como objetivo a revisão analítico-teórica (autores referenciados) e prática (fóruns BRICS) de um grupo geopolítico de cooperação, visto como alternativa para configuração de parcerias mundiais entre países emergentes, suas zonas de influência continental e a formação de alianças para o estreitamento de relações institucionais. O BRICS teria sobretudo impacto nos fluxos financeiros e de comercio internacional no hemisfério sul, através da formação e consolidação da governança global e institucionalização do grupo ao longo do período de 2001-2014.  Esse impacto foi apontado em ações diplomáticas articuladas pelas cúpulas e pela conscientização das capacidades dos países que o integram, como potências emergentes e atores globais.

Palavras-chave: zonas periféricas; governança global; institucionalização.

Abstract

This article aims at the analytical-theoretical (referenced authors) and practical (BRICS forums) review of a geopolitical cooperation group, seen as an alternative for setting up global partnerships between emerging countries, their continental influence zones, and the formation of alliances for the strengthening of institutional relations. The BRICS would have an impact above all on financial and international trade flows in the Southern Hemisphere, through the formation and consolidation of global governance and institutionalization of the group over the period 2001-2014. This impact was pointed out in diplomatic actions articulated by the summits and by the awareness of the capacities of the countries that integrate it, as emerging powers and global actors.

Keywords: peripheral zones; global governance; institutionalization.

Resumen

Este artículo tiene como objetivo la revisión analítico-teórica (autores referenciados) y práctica (fórums BRICS) de un grupo geopolítico de cooperación, visto como alternativa para la configuración de cooperación mundial entre países emergentes, sus zonas de influencia continental y la formación de alianzas para estrechar relaciones institucionales. El BRICS tendría impacto, sobre todo, en los flujos financieros y de comercio internacional en el hemisferio sur, por medio de la formación y consolidación de la gobernanza global e institucionalización del grupo a lo largo del período de 2001-2014. Ese impacto ha sido señalado en acciones diplomáticas articuladas por las cumbres y por la concientización sobre las capacidades de los países que lo integran, como potencias emergentes y actores globales.

Palabras-clave: zonas periféricas; gobernanza global; institucionalización.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Rodrigo Bonette, Centro Universitários Estácio Ribeirão PretoUniversidade Metodista de São Paulo

Mestre em Engenharia de Produção. Gradução Logística. Graducação Comércio Exterior. Graduação Contabilidade.

Referências

ALBUQUERQUE, Edu Silvestre de. A teoria geopolítica meridionalista de André Martin. Revista de Geopolítica, Natal - RN, v. 5, n. 2, p. 5-18, jul./dez. 2014.

BRAGA, S. R. Sensos, consensos e dissensos: itinerários geopolíticos de Ratzel a Lacoste. Revista de Geopolítica, Natal - RN, v. 2, n. 1, p. 146-163, jan./jun. 2011. Disponível em: http://www.revistageopolitica.com.br/index.php/revistageopolitica/article/view/28. Acesso em: 1 fev. 2012.

BRICS. BRICS Information Portal. Disponível em: https://infobrics.org/. Acesso em: 28 set. 2014.

BRICS NÃO AMEAÇAM hegemonia dos EUA, diz ‘pai’ da teoria do neoliberalismo. Entrevistador: Rogerio Wassermann. Entrevistado: Joseph S. Nye Jr. Londres, BBC Brasil em Londres, 28 nov. 2011. Disponível em

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/11/111125_joseph_nye_brics_rw.shtml. Acesso em: 28 set. 2014.

CHIAPPIN, José R. N. O paradigma de Huntington e o realismo político. Lua Nova, São Paulo, n. 34, dez. 1994. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ln/a/M7Q4Y3WGjc6jZ3ZypVhGsYB/?lang=pt. Acesso em: 10 out. 2014.

CHIAPPIN, José R. N. Os fundamentos teóricos do programa do realismo em política internacional: a concepção de Morgenthau e a metafísica da política de poder. Carta Internacional, São Paulo, n. 2, v. 4, set. 2009. Disponível em: https://www.cartainternacional.abri.org.br/Carta/article/view/523. Acesso em: 30 jul. 2012.

CREUZ, Luís Rodolfo Cruz e. Organizações internacionais de integração e cooperação econômica: revisões de uma teoria geral. Revista da SJRJ, Rio de Janeiro, n. 24, p. 211-240, 2009. Disponível em: https://www.jfrj.jus.br/sites/default/files/revista-sjrj/arquivo/62-208-1-pb.pdf. Acesso em: 15 out. 2014.

G20. Disponível em: https://www.g20.org/. Acesso em: 28 set. 2014.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999. (Cadernos do Cárcere, 3).

INSTITUCIONALIZAÇÃO POLÍTICA dos BRIC não faz sentido, diz criador do termo. Entrevistador: Rogerio Wassermann. Entrevistado: O’Neill. Londres, BBC Brasil em Londres, 11 abr. 2011. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2011/04/110411_jim_oneil_bg. Acesso em: 28 set. 2014.

JESUS, Diego Santos Vieira de. De Nova York a Durban: o processo de institucionalização do BRICS. Revistas OIKOS, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 32-62, 2013. Disponível em: http://www.revistaoikos.org/seer/index.php/oikos/article/viewArticle/321. Acesso em: 28 set. 2014.

MEDICI, Rita. Gramsci e o Estado: para uma releitura do problema. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 29, p. 29, 31-43 nov. 2007.

MOREIRA JR., Hermes Moreira; FIGUEIRA, Mauro Sérgio. O Banco dos BRICS e os cenários de recomposição da ordem internacional. Meridiano 47, Brasília, v. 15, n. 142, p. 54-62, mar./abr. 2014.

NYE JR., Joseph S. O futuro do poder. São José dos Campos – SP: Editora Benvirá, 2012.

NYE JR., Joseph S. O paradoxo do poder americano. São Paulo: Editora UNESP, 2012.

NYE JR., Joseph S. Soft power: the means to success in world. New York: Perseus Book, 2005.

O’NEILL, Jim. Building Better Global Economic BRICs. Global Economics. Paper n. 66. 30 Nov. 2001. Disponível em: https://www.goldmansachs.com/insights/archive/archive-pdfs/build-better-brics.pdf. Acesso em: 21 set. 2014.

PU, Xiaoyu. Potências emergentes, legitimidade e mudanças normativas internacionais. Cadernos Adenauer, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 13-32, dez. 2012. Disponível em: https://www.kas.de/c/document_library/get_file?uuid=e3f54049-ad36-4384-819b-5490d91d0195&groupId=265553.Acesso em: 26 set. 2014.

SEMERARO, G. Da sociedade de massa à sociedade civil: a concepção da subjetividade em Gramsci. Revista Educação & Sociedade, Campinas, v. 20, n. 66, abr. 1999.

SOUZA, Jairo M. Mar territorial, zona econômica exclusiva ou plataforma continental? Revista Brasileira de Geofísica, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, 1999. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbg/a/wtbRDxtXkwMRLry8TKsgWYG/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 30 set. 2014.

STUENKEL, Oliver. Potências emergentes e desafios globais. Cadernos Adenauer, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 7-12, dez. 2012. Disponível em: https://www.kas.de/c/document_library/get_file?uuid=e3f54049-ad36-4384-819b-5490d91d0195&groupId=265553. Acesso em: 26 set. 2014.

VESENTINI, J. W. O apogeu e o declínio da geopolítica. Revista do Departamento de Geografia, USP, São Paulo, n. 11, p. 19-28, 1997. DOI:

https://doi.org/10.7154/RDG.1997.0011.0002. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rdg/article/view/53714. Acesso em: 1 fev. 2012.

VI CÚPULA BRICS. Declaração de Fortaleza. 15 jul. 2014. In: Gov.br. Ministério de Relações Exteriores. Disponível em: https://www.gov.br/mre/pt-br/canais_atendimento/imprensa/notas-a-imprensa/vi-cupula-brics-declaracao-de-fortaleza-15-de-julho-de-2014. Acesso em 1 fev. 2012.

Publicado
2021-08-31
Seção
Artigos