PSD: os parlamentares de um partido Catch-All

Resumo

Fundado em 2011, o PSD (Partido Social Democrático) é um partido recente nas disputas eleitorais. No entanto, apresentou grande potencial nas eleições que participou, sendo considerado, atualmente, relevante no Congresso Nacional. A partir dos dados levantados, observaram-se poucas mudanças na elite do partido, que tomou posse em 2015. Segundo alguns autores, como Kirchheimer (2012) e Panebianco (2005), o PSD se encaixa no modelo denominado catch-all. Neste sentido, com base nos dados da Câmara dos Deputados e do Tribunal Superior Eleitoral, objetiva-se analisar os deputados do PSD comparativamente, para criar um panorama da bancada do partido. Ademais, busca-se compreender a responsividade do sistema partidário brasileiro.

Palavras-chave: partidos; catch-all; elites.

Abstract

Established in 2011, PSD (Social Democratic Party) is a recent party in electoral disputes. Nevertheless, it presented great potential in the elections it participated, being considered, nowadays, relevant in the National Congress. From the data collected, there were few changes in the elite of the party, which took office in 2015. According to some authors, such as Kirchheimer (2012) and Panebianco (2005), PSD fits the party model called catch-all. Hence, based on data from the Superior Electoral Court and the Chamber of Deputies, the objective is to analyze PSD’s deputies comparatively, to create an overview of the party’s parliamentary group. Moreover, it seeks to understand the responsiveness of the Brazilian party system.

Keywords: parties; catch-all; elites.

Resumen

Fundado en 2011, el PSD (Partido Social Democrático) es un partido reciente en las disputas electorales. Sin embargo, ha presentado gran potencial en las elecciones en las que ha participado y tiene relevancia, actualmente, en el Congreso Nacional. A partir de los datos recopilados, se observan pocos cambios en la cúpula del partido, que tomó posesión en 2015. Según algunos autores, como Kirchheimer (2012) y Panebianco (2005), el PSD se encaja en el modelo denominado catch-all. De esa manera, sobre la base de los datos de la Asamblea de Diputados y del Tribunal Superior Electoral, se pretende analizar a los diputados del PSD en términos comparativos, para elaborar un panorama de la bancada del partido. Además, se tratará de entender la responsividad del sistema partidista brasileño.

Palabras-clave: partidos; catch-all; cúpulas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victor Diogo Urbanek, Centro Universitário Internacional Uninter

Bacharelando em Ciência Política pelo Centro Universitário Internacional Uninter.

Carlos Alberto Simioni, Centro Universitário Internacional Uninter

Professor dos cursos de Ciência Política, Relações Internacionais e Direito pelo Centro Universitário Internacional Uninter.

Referências

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Calculadora do Cidadão – Índices de Preços. Disponível em: https://www3.bcb.gov.br/CALCIDADAO/publico/exibirFormCorrecaoValores.do?method=exibirFormCorrecaoValores&aba=1. Acesso em: 02 jul. 2020.

BRAGA, M. S. Eleições e democracia no Brasil: a caminho de partidos e sistema partidário institucionalizados. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 4, p. 43-72, 2010.

BRASIL. Tribunal Superior Eleitoral. Certidão de filiação partidária. TSE, [S.l.], [20--], Disponível em: http://www.tse.jus.br/eleitor/certidoes/certidao-de-filiacao-partidaria. Acesso em: 02 jul. 2020.

BRASIL. Tribunal Superior Eleitoral. Sistema de divulgação de candidaturas 2014. TSE, [S.l.], [20--]. Disponível em: http://www.tse.jus.br/eleicoes/eleicoes-anteriores/eleicoes-2014/candidaturas/sistema-de-divulgacao-de-candidaturas. Acesso em: 02 jul. 2020.

CARREIRAO, Yan de Souza. O sistema partidário brasileiro: um debate com a literatura recente. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n.14, p. 255-295, 2014.

CODATO, Adriano; COSTA, Luiz Domingos; MASSIMO, Lucas. Classificando ocupações prévias à entrada na política: uma discussão metodológica e um teste empírico. Opinião Pública, Campinas, v. 20, n. 3, p. 346-362, 2014.

DUVERGER, M. Os partidos políticos. Tradução de Cristiano Monteiro Oiticica. 2. ed. Rio de Janeiro: J. Zahar/UNB, 1970.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. IBGE. Censo demográfico 2010 – Principais resultados. IBGE, [ S.l.], 2010. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9662-censo-demografico-2010.html?edicao=10503&t=destaques. Acesso em: 02 jul. 2020.

KATZ, R. S.; MAIR, P. El partido cartel: la transformación de los modelos de partidos de la democracia de partidos. Traducción de María Jiménez Buedo. Zona Abierta, n. 108/109, p. 9-39, 2004.

KIRCHHEIMER, O. A transformação dos sistemas partidários da Europa Ocidental. Tradução e notas Paulo Peres. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 7, p. 349-385, 2012.

LAVAU, G. Partis politiques et réalités sociales. Contribution à une étude réaliste des partis politiques. Paris: Armand Colin, 1953.

MAINWARING, S; TORCAL, M. Teoria e institucionalização dos sistemas partidários após a terceira onda de democratização. Opinião Pública, Campinas, v. 11, n. 2, p. 249-286, 2005.

MAYER, R. Partidos políticos no Brasil: do Império à Nova República. 1. ed. Curitiba: InterSaberes, 2018.

MEDEIROS, P. Uma Introdução à Teoria da Democracia. Curitiba: Intersaberes, 2016

MELO, C. R.; CÂMARA, R. Estrutura da Competição pela Presidência e Consolidação do Sistema Partidário no Brasil. Dados- Revista de Ciências Sociais, v. 55, n. 1, p. 71-117, 2012.

PANEBIANCO, A. Modelos de partido: organização e poder nos partidos políticos. Tradução de Denise Agostinetti. São Paulo: Martin Fontes, 2005.

PERISSINOTTO, R. M.; COSTA, L. D.; MASSIMO, L. As elites políticas: questões de teoria e método. 2. ed. Curitiba: Intersaberes, 2018.

PERISSINOTTO, R. M.; MIRÍADE, A. Caminhos para o Parlamento: Candidatos e Eleitos nas Eleições para Deputado Federal em 2006. Dados - Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 52, n. 2, p. 301-333, 2009.

RODRIGUES, L. M. Partidos, ideologia e composição social. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 17, n. 48, p. 31-47, 2002.

ROEDER, K. M.; BRAGA, S. Partidos Políticos e Sistemas Partidários. 1. ed. Curitiba: Intersaberes, 2017.

SARTORI, G. Parties and party systems: a framework for analysis. New York: Cambridge University Press, 1976.

SAWICKI, F. Classer les hommes politiques. Les usages des indicateurs de position sociale pour la compréhension de la professionnalisation politique. In: OFFERLÉ, M. La profession politique: XIX-XX siècles. Paris: Éditions Belin, 1999.

SAWICKI, F. Découverte de la science politique. Cahiers Français, n. 276, p. 51-59, 1996.

SIMONI JR, Sergio; RIBEIRO, Ricardo Mendes. O surgimento do PSD e o sistema partidário brasileiro. Política & Sociedade, Florianópolis, v. 18, p. 54-85, 2019.

WEBER, M. Ciência e política: duas vocações. Tradução e notas Marco Antônio Casanova. São Paulo: Martin Claret, 2015.

Publicado
2022-04-12