A similaridade entre o argumento ontológico e as manifestações religiosas em diferentes culturas

Resumo

O presente artigo demonstra como várias culturas ao redor do mundo apresentam linhas de raciocínio semelhantes ao argumento ontológico e suas diversas formulações. Além disso, observam-se duas importantes inferências neste estudo, como a possibilidade de sugerir, através de seus resultados, que todos os seres humanos que compreendem os atributos inatos de um ser de máxima perfeição podem concluir, por formas de raciocínio similares ao argumento ontológico, que um ser de máxima grandeza, no caso Deus, deve necessariamente existir. A outra inferência diz respeito a possível ancestralidade comum entre diversas culturas religiosas existentes em nossos dias. Utilizou-se metodologia de pesquisa qualitativa baseada em consulta bibliográfica.

Palavras-chave: argumento ontológico; ontologia; Deus; cultura.

Abstract

This paper demonstrates how various cultures around the world present reasoning’s similar lines to the ontological argument and its various formulations. Moreover, two important inferences can be observed in this study, such as the possibility of suggesting, through its results, that all human beings who understand the innate attributes of a maximum perfection being can conclude, by ways of reasoning similar to the ontological argument, that a being of maximum greatness, in this case God, must necessarily exist. The other inference concerns the possible common ancestry among several religious cultures existing in our days. A qualitative research methodology based on bibliographic research is used.

Keywords: ontological argument; ontology; God; culture.

Resumen

El presente artículo demuestra cómo varias culturas alrededor del mundo presentan líneas de razonamiento similares al argumento ontológico y sus diversas formulaciones. Además, se observan dos importantes inferencias en este estudio, como la posibilidad de sugerir, por medio de sus resultados, que todos los seres humanos que comprenden los atributos innatos de un ser de máxima perfección pueden concluir, por formas de razonamientos similares al argumento ontológico, que un ser de máxima grandeza, en el caso Dios, debe necesariamente existir. La segunda inferencia tiene que ver con una posible ancestralidad común entre diversas culturas religiosas de nuestros días. Se utilizó metodología de investigación cualitativa basada en consulta bibliográfica.

Palabras-clave: argumento ontológico; ontología; Dios; cultura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Rohregger, UNINTER- Centro Universit

Professor da área de humanidades do Centro Universitário Internacional - UNINTER. MESTRE em Bioética pela PUCPR, Especialização em Psicoteologia e Bioética pela Faculdade Evangélica do Paraná - FEPAR e Teologia do Novo Testamento Aplicada pela Faculdade Teológica Batista do Paraná – FTBP, em Formação de Docentes para EAD pelo Centro Universitário UNINTER. Graduação em Bacharel em Filosofia pelo Centro Universitário Internacional UNINTER, Bacharel em Teologia pela Faculdade Evangélica do Paraná, formação Pedagógica em História pelo Centro Universitário Internacional UNINTER.

Matheus Teixeira de Souza, Centro Universitário Internacional UNINTER

Graduação em Marketing digital pela Universidade Norte do Paraná (2018). Graduando em direito pela Universidade Cândido Mendes, graduando em Filosofia pelo Centro Universitário Internacional, graduando em Teologia pelo Centro Universitário Internacional, graduando em Ciência política também pelo Centro Universitário Internacional UNINTER, especialização em retórica e oratória em língua portuguesa pelo Instituto Brasileiro de Formação.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

AGOSTINHO, Santo. A Doutrina Cristã. Trad. Ir. Nair de Assis Oliveira. Rev. Honório Dalbosco. São Paulo: PAULUS, 2002. I, 7, 7.

ANSELMO, Santo. Proslogion seu Alloquium de Dei existentia. Trad. José Rosa. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2008. (Textos Clássicos de Filosofia). Disponível em: http://www.lusosofia.net/textos/anselmo_cantuaria_proslogion.pdf. Acesso em: 18 out. 2021.

BÍBLIA. Atos. Português. In: A Bíblia sagrada: antigo e novo testamento. Tradução de João Ferreira de Almeida. Brasília: Sociedade Bíblica do Brasil, 1969.

CRAIG, William Lane. Reasonable faith. Wheaton: Crossway Book, 2008.

DESCARTES, René. Discurso do Método. Trad. Enrico Corvisieri. São Paulo: Abril Cultural, 2000.

GILSON, Etienne. A Filosofia Na Idade Média. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

MARENBON, John. Medieval Philosophy: an historical and philosophical Introduction. London; New York: Routledge, 2007.

MEANS, Philip Ainsworth. The Incas: Empire Builders of the Andes. rev. Washington: National Geographic Society, 1965. p. 306. (Indians of the Americas).

ONTOLOGY. In: ONLINE Etimology Dictionary. [s.l.]: [s.d.].. Disponível em: https://www.etymonline.com/word/ontology. Acesso em: 19 out. 2021.

REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. História da Filosofia: de Spinoza a Kant. São Paulo: Paulus, 2005.

RICHARDSON, Don. O fator Melquisedeque. São Paulo: Vida Nova, 1998.

Publicado
2021-11-05