A geração Y e o déficit de inteligência emocional nas organizações

  • Ariane Suelen da Silva UNINTER
  • Elizabeth Zanetti

Resumo

Esse estudo tem o objetivo de analisar as causas dos conflitos entre a geração Y e as gerações veteranas nas organizações, com foco no déficit de inteligência emocional observado nesses jovens. Seus objetivos específicos são: entender o conceito de geração Y assim como as suas principais características e singularidades; trabalhar a questão da inteligência emocional e a sua importância nas organizações; identificar os modelos de gestão de pessoas mais apropriados para o atual cenário. A base metodológica é a pesquisa acadêmica de objetivo exploratório, com coleta de dados bibliográficos e aprofundamento de conceitos encontrados em livros, dissertações, artigos e publicações em revistas acadêmicas. Os principais resultados e conclusões são: a constatação de que os jovens da geração Y necessitam desenvolver melhor os cinco componentes da inteligência emocional — autoconsciência, autodisciplina, motivação, empatia e habilidade social —; e a identificação do potencial desses jovens, devido à sua elevada formação acadêmica e qualificação em línguas, sua habilidade com as novas tecnologias, sua criatividade e capacidade multitarefa. Para tanto, estudaram-se novos modelos de gestão de pessoas com foco na gestão de talentos e na gestão por competências, com a finalidade de alinhar os objetivos organizacionais aos dos trabalhadores, como estratégia para garantir vantagens competitivas.

Palavras-chave: geração Y; inteligência emocional; gestão de pessoas.

Abstract

This study aims to analyze the causes of conflicts between Generation Y and veteran generations in organizations, focusing on the deficit of emotional intelligence observed in these young people. Its specific objectives are: to understand the concept of Generation Y as well as its main characteristics and singularities; work on the issue of emotional intelligence and its importance in organizations; identify the most appropriate people management models for the current scenario. The methodological basis is academic research with an exploratory objective, with a collection of bibliographic data and deepening of concepts found in books, theses, articles, and publications in academic journals. The main results and conclusions are: the finding that Generation Y young people need to better develop the five components of emotional intelligence — self-awareness, self-discipline, motivation, empathy, and social skill —; and the identification of the potential of these young people, due to their high academic training and qualifications in languages, their ability with new technologies, creativity, and multitasking capacity.

Keywords: Generation Y; emotional intelligence; people management.

Resumen

Este estudio tiene el objetivo de analizar las razones de los conflictos entre la generación Y y las generaciones tradicionales en las organizaciones, con especial atención en el déficit de inteligencia emocional observado en esos jóvenes. Sus objetivos específicos son: entender el concepto de generación Y así como sus principales características y singularidades; trabajar la cuestión de la inteligencia emocional y su importancia en las organizaciones; identificar los modelos de gestión de personas más apropiados para el actual escenario. La base metodológica es la investigación académica con objetivo exploratorio, con recolección de datos bibliográficos y profundización de conceptos encontrados en libros, tesis, artículos y publicaciones en revistas académicas. Los principales resultados y conclusiones son: la constatación de que los jóvenes de la generación Y necesitan desarrollar mejor los cinco componentes de la inteligencia emocional — autoconsciencia, autodisciplina, motivación, empatía y habilidad social —; y la identificación del potencial de esos jóvenes, dada su alta formación académica y calificación en idiomas, su habilidad con las nuevas tecnologías, su creatividad y capacidad multitarea. Para ello, se estudiaron nuevos modelos de gestión de personas orientados a la gestión de talentos y a la gestión por competencias, con la finalidad de asociar los objetivos de las organizaciones con los de los trabajadores, como estrategia para garantizar ventajas competitivas.

Palabras-clave: generación Y; inteligencia emocional; gestión de personas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ariane Suelen da Silva, UNINTER

Graduada em Administração pelo IESO. Assistente em Administração da UFPE.

Elizabeth Zanetti

Mestre em Engenharia da Produção UFSC, Especialista em Psicologia de RH-UNICAMP, Bacharel em Administração de Empresas-FESP. Especialista/EAD. Professor Adjunto da UTP. Orientadora e Avaliadora de TCC FAEL, UNINTER e UFTPR.

Referências

APRIGIO, Bruna Tábata. Gerações no mercado de trabalho: geração Y. Revista de Administração do UNISAL, Campinas, v. 3, n. 3, p. 19-28, jan./abr. 2013. Disponível em: http://www.revista.unisal.br/sj/index.php/RevAdministracao/article/view/232. Acesso em: 28 out. 2015.

BISOGNO, Noro et al. A gestão da geração y nas empresas filiadas à AJESM da cidade de Santa Maria – RS. RG&D, Fortaleza, v. 1, n. 2, jan./dez. 2014. Disponível em: http://institutoateneu.com.br/ojs/index.php/RGD/article/view/104. Acesso em: 09 nov. 2015.

CALLIARI, Marcos; MOTTA, Alfredo. Código Y: decifrando a geração que está mudando o país. São Paulo: Évora, 2012.

CHIAVENATO, Idalberto. Administração nos novos tempos: os novos horizontes em administração. 3. ed. Barueri, SP: Manole, 2014.

FONSECA, Adriana. As competências exigidas no mercado de trabalho atual. In: Valor Econômico, [s. l.], 20 ago. 2012. Disponível em: http://www.valor.com.br/carreira/2759010/estudo-mapeia-competencias-profissionais-exigidas-nos-proximos-anos. Acesso em: 17 dez. 2015.

GASPARINI, Claudia. Como a geração Y pode ter mais inteligência emocional. In: Revista Exame.com, São Paulo, 23 out. 2014. Disponível em: http://exame.abril.com.br/carreira/noticias/como-a-geracao-y-pode-ter-mais-inteligencia-emocional. Acesso em: 20 set. 2015.

GOLEMAN, D. Inteligência emocional: teoria revolucionária que redefine o que é ser inteligente. 10. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007.

HARVARD BUSINESS REVIEW. Como o líder pensa: Tradução de Ebréia de Castro Alves. 1. ed. Rio de Janeiro: Elsevier/Campus, 2005.

KNAPIK, Janete. Gestão de pessoas e talentos [livro eletrônico]. Curitiba: Ibpex, 2012.

LIPKIN, Nicole; PERRYMORE, April. A geração Y no trabalho: como lidar com a força de trabalho que influenciará definitivamente a cultura da sua empresa. Tradução de Bruno Alexander. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

LIRA, Messias Rocha de; BUSSE, Ângela. Gestão de pessoas: uma nova perspectiva. In: RHPortal, 2 set. 2015. Disponível em: https://www.rhportal.com.br/artigos-rh/gesto-de-pessoas-uma-nova-perspectiva/. Acesso em: 28 set. 2015.

MALDONADO, Maria Tereza. A geração Y no trabalho: um desafio para os gestores. In: Psicologias do Brasil, 7 maio 2019. Disponível em: https://www.psicologiasdobrasil.com.br/a-geracao-y-no-trabalho-um-desafio-para-os-gestores/. Acesso em: 20 set. 2019.

MORAIS, Bárbara Priscila Souza; LOPES, Gislaine Viega; SILVA, Valquíria dos Santos da. Gerações e uma nova visão de líder: a geração Y. Acadêmica. Revista Eletrônica de Administração e Negócios, [s. l.], 2013. Disponível em: http://www.revistaacademica.net/trabalho/18021303.html#top. Acesso em: 01 out. 2015.

OLIVEIRA, Sidnei. Geração Y: ser potencial ou ser talento? Faça por merecer. 2. ed. São Paulo: Integrate Editora, 2011.

PATRÍCIO, Eduardo; ESTENDER, Antônio Carlos. A gestão de pessoas na ótica de um recurso humano ativo. Gestão Contemporânea, Vila Velha - ES, v. 4, n. 1, p. 92-110, abr. 2014. Disponível em: http://periodicos.estacio.br/index.php/gestaocontemporanea/article/view/9098. Acesso em: 01 out. 2015.

SANTOS, André Laizo dos. A geração Y nas organizações complexas: um estudo exploratório sobre a gestão dos jovens nas empresas. 2011. 150 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

SCANAVEZ, Silvia Maria; ALVES, Rozane. As organizações e o novo perfil dos colaboradores. Facesi em Revista, Viamópolis-Viamão – RS, ano 1, v. 1, n. 2, 2009. Disponível em: http://www.facesi.edu.br/facesiemrevista/downloads/numero2/artigo02.pdf. Acesso em: 09 nov. 2015.

VERGARA, Sylvia Constant. Gestão de pessoas. São Paulo: Atlas, 1999.

WACHOWICZ, Marta Cristina. Conflito e negociação nas empresas. 1. ed. Curitiba: InterSaberes, 2013.

Publicado
2021-08-31
Seção
Artigos