Formação de professores e autonomia relativa dos estudantes: o que se pode aprender do método do mestre ignorante?

Autores

Resumo

Este estudo de caráter bibliográfico tem como objetivo analisar o método do mestre ignorante de Joseph Jacotot (RANCIÈRE, 2002), enquanto possibilidade emancipatória na formação de professores. A problemática que guia o desenvolvimento do estudo parte da crítica ao socratismo, amplamente difundido e considerado na formação de professores que, sob a aparência de um método emancipatório, que promove uma pretensa autonomia do estudante, carrega a marca de um ensino tradicional no qual o mestre sabe de antemão para onde conduzir o estudante e a respeito de quais ideias convencê-lo. Deste modo, questiona-se: o que se pode reter do método do mestre ignorante? Considerando que aprendizagem e emancipação são práticas diferentes, embora relacionadas, argumenta-se que geralmente o professor assume uma atitude de sábio e implicitamente reconhece que os ignorantes são tolos e consequentemente incapazes de aprender. Assim ele declara o embrutecimento deles, o que nos leva a considerar as críticas ao método maiêutico. Como alternativa para proporcionar uma educação emancipatória, a partir da análise do método do mestre ignorante de Jacotot, apresenta-se a proposta de um método dialógico ancorado na pesquisa orientada com vistas ao desenvolvimento da autonomia do estudante. Espera-se que os resultados aqui alcançados possam contribuir para uma melhor compreensão das problemáticas relativas aos processos de ensino e aprendizagem com vistas à promoção de uma educação emancipada e emancipadora.  

Palavras-chave: formação de professores; autonomia; aprendizagem; método.

Abstract

This bibliographic study aims to analyze the ignorant schoolmaster method by Joseph Jacotot (RANCIÈRE, 2002), as an emancipatory possibility in teacher education. The problem that guides the development of the study starts from the criticism of Socratism, widely disseminated and considered in teacher training that, under the guise of an emancipatory method, which promotes an alleged autonomy of the student, carries the mark of traditional teaching in which the master knows in advance where to lead the students and about the ideas to convince them. Thus, the question is: what can be retained from the ignorant schoolmaster method? Considering that learning and emancipation are different practices, although related, it is argued that, generally, the teacher assumes a wise attitude and implicitly recognizes that the ignorant are foolish and consequently incapable of learning. Hence, the teacher declares their brutishness, which leads us to consider the criticisms of the maieutic method. As an alternative to providing an emancipatory education, based on the analysis of Jacotot's ignorant schoolmaster method, a proposal for a dialogic method anchored in research oriented towards the development of student autonomy is presented. It is hoped that the results achieved here can contribute to a better understanding of the issues related to the teaching and learning processes to promote an emancipated and emancipatory education.

Keywords: teacher education; autonomy; learning; method.

Resumen

Este estudio bibliográfico tiene como objetivo analizar el método del maestro ignorante de Joseph Jacotot (RANCIÈRE, 2002), como posibilidad emancipadora en la formación docente. El problema que orienta el desarrollo del estudio parte de la crítica al socratismo, ampliamente difundido y considerado en la formación docente que, bajo la apariencia de un método emancipatorio, que promueve una supuesta autonomía del alumno, lleva la impronta de una enseñanza tradicional en la cual el maestro sabe de antemano hacia dónde conducir al alumno y sobre qué ideas convencerlo. Entonces, la pregunta es: ¿qué se puede retener del método del maestro ignorante? Considerando que el aprendizaje y la emancipación son prácticas diferentes pero relacionadas, se argumenta que generalmente el maestro asume una actitud sabia y reconoce implícitamente que los ignorantes son tontos y por lo tanto incapaces de aprender. Así declara su embrutecimiento, lo que nos lleva a considerar las críticas al método mayéutico. Como alternativa para brindar una educación emancipadora, a partir del análisis del método del maestro ignorante de Jacotot, se presenta una propuesta de método dialógico anclado en la investigación orientada al desarrollo de la autonomía del estudiante. Se espera que los resultados aquí alcanzados puedan contribuir a una mejor comprensión de las cuestiones relacionadas con los procesos de enseñanza y aprendizaje con miras a promover una educación emancipada y emancipadora.

Palabras-clave: formación docente; autonomía; aprendizaje; método.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Fernando Lopes, Centro Universit

Doutor em Educação. Professor da Área de Humanidades e do PPGENT do Centro Universitário Internacional — UNINTER.

Alvino Moser, CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL UNINTER

Doutor em Filosofia pela Université Catholique de Louvain. Decano do Centro Universitário Internacional UNINTER. 

Referências

BROWN, John Seely; COLLINS, Allan; DUGUID, Paul. Situated cognition and the culture of learning. Educational Researcher, [s. l.], v. 18, n. 1, p. 32-42, Jan-Feb 1989. Disponível em: https://doi.org/10.3102/0013189X018001032. Acesso em: 31 mar. 2022.

DEHAENE, Stanislas. Number sense. How mind creates Mathematics. Oxford University Press, USA, 6 de nov. de 1997.

DESCARTES, René. Méditations touchant la Philosophie Première. 4ème Méditation. Paris: Gallimard, 1953. (Oeuvre et Lettres).

ECO, Umberto. O pêndulo de Foucault. São Paulo: Record, 1989.

KOHAN, Walter Omar. Três lições de filosofia da educação. Educ. Soc., Campinas, v. 24, n. 82, abril 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v24n82/a12v24n82.pdf. Acesso em: 07 abr. 2022.

KOHAN, Walter Omar. Sócrates, a educação e a filosofia. De herói a anti-herói. In: GALLO, S.; DAVELON, M.; CORNELLI, G. (org.) Ensino de filosofia: teoria e prática. IJUÍ: UNIJUÍ, 2004.

MILLER, Georg A.; GILDEA, Patricia M. How Children learn words. Scientific American, [s. l.], v. 257, n. 3, p. 94-99, Sept. 1987. Disponível em: https://doi.org/10.1038/scientificamerican0987-94. Acesso em: 30 mar. 2022.

PLATÃO. Menon. Tradução de Maura Iglésias. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; Loyola, 2001. Disponível em: https://revistasofosunirio.files.wordpress.com/2012/04/menon-sem-a-parte-grega.pdf. Acesso em: 07 abr. 2022.

PLATÃO. República. L. VI. Bauru: Edipro, 1994.

PLATÃO. Teeteto. [Versão eletrônica]. Tradução: Carlos Alberto Nunes. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/cv000068.pdf. Acesso em: 30 mar. 2022.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Tradução de Lilian do Valle. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

VIGANÓ, Darly. Leito de Procusto. APMP, São Paulo, mar. 2018. Artigos. Disponível em: https://www.apmp.com.br. Acesso em: 12 mai. 2022.

Downloads

Publicado

2022-11-09