A preservação da diversidade cultural diante dos avanços do fenômeno da globalização

  • Maria Emília Rodrigues
  • Alcemar Rodrigues Martello UNINTER

Resumo

O fenômeno globalização permitiu aproximação entre pessoas de diferentes países e regiões. Tal favorecimento de trocas culturais em diferentes níveis desenvolve processos de endoculturação, etnocentrismo e xenofobia que podem levar a movimentos de preservação cultural nacionalistas e extremistas. Neste sentido, a proposta deste estudo é analisar os efeitos da globalização sobre a diversidade cultural e o surgimento de movimentos de preservação cultural. A metodologia deste estudo recorre à abordagem qualitativa bibliográfica. A busca englobou livros, artigos científicos e anais de congressos a partir de seleção aleatória sobre os temas globalização, diversidade cultural e grupos de tradições culturais. A análise evidenciou a forte influência da globalização sobre as culturas locais e revela marcas de um processo de hibridização que produziu novas identidades globais e/ou locais. A cultura local de um grupo organizado não exclui a noção de globalidade da cultura humana, o que resulta em hibridação, coexistência ou mesmo em um processo xenofóbico promovido por grupo majoritário. Isto envolve consolidação de uma identidade que impõe barreiras à propagação da globalização hegemônica, como resistência à homogeneização e proteção à diversidade cultural.

Palavras-chave: multiculturalismo; cultura; globalização; identidade.

Abstract

The phenomenon of globalization has allowed people from different countries and regions to come together. Such favoring of cultural exchanges at different levels develops processes of endoculturation, ethnocentrism, and xenophobia that can lead to nationalistic and extremist cultural preservation movements. In this sense, the purpose of this study is to analyze the effects of globalization on cultural diversity and the emergence of cultural preservation movements. The methodology of this study uses a qualitative bibliographical approach. The search encompassed books, scientific articles, and conference proceedings from a random selection on the themes of globalization, cultural diversity, and groups of cultural traditions. The analysis showed the strong influence of globalization on local cultures and reveals the marks of a hybridization process that has produced new global and/or local identities. The local culture of an organized group does not exclude the notion of globality of human culture, resulting in hybridization, coexistence, or even a xenophobic process promoted by a majority group. This involves consolidation of an identity that imposes barriers to the spread of hegemonic globalization, as resistance to homogenization and protection of cultural diversity.

Keywords: multiculturalism; culture; globalization; identity.

Resumen

El fenómeno globalización permitió el acercamiento entre personas de diferentes países y regiones. Esta facilidad de intercambios culturales, en diferentes niveles, desarrolla procesos de endoculturación, etnocentrismo y xenofobia, que pueden llevar a movimientos de preservación cultural nacionalistas y extremistas. En ese sentido, la propuesta de este estudio es analizar los efectos de la globalización sobre la diversidad cultural y el surgimiento de movimientos de preservación cultural. La metodología de este estudio es de orden cualitativo bibliográfico. La revisión se hizo en libros, artículos científicos y memorias de congresos, a partir de selección aleatoria sobre los temas globalización, diversidad cultural y grupos de tradiciones culturales. El análisis puso en evidencia la fuerte influencia de la globalización sobre las culturas locales y revela marcas de un proceso de hibridación que produjo nuevas identidades globales y/o locales. La cultura local de un grupo organizado no excluye la noción de globalidad de la cultura humana, lo que resulta en hibridación, coexistencia o aun en un proceso xenofóbico producido por un grupo mayoritario. Ello implica consolidación de una identidad que imponga barreras a la propagación de la globalización hegemónica, como resistencia a la homogenización y protección a la diversidad cultural.

Palabras-clave: multiculturalismo; cultura; globalización; identidad.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Emília Rodrigues

Professora do Centro Universitário Internacional Uninter.

Alcemar Rodrigues Martello, UNINTER

Bacharelando em Sociologia no Centro Universitário Internacional Uninter.

Referências

AGIER, M. Distúrbios identitários em tempos de globalização. Mana, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 7-33, 2001. DOI https://doi.org/10.1590/S0104-93132001000200001

BARRETO, R. S. N. A identidade nacional na era da globalização. Cadernos de Relações Internacionais, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 1-16, 2009. Disponível em: https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/13551/13551.PDF. Acesso em: 29 out. 2021.

BAUMAN, Z. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand, 1989.

CASTELLS, M. A era da informação: Economia, sociedade e cultura. A sociedade em rede. 8. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999. v. 1.

CORONIL, F. Natureza do pós-colonialismo: do eurocentrismo ao globocentrismo. In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais — perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: Colección Sur Sur, CLACSO, 2005.

FERREIRA, F. O local em educação: Animação, gestão e parceria. Lisboa: Fundação Calouste, 2005.

FREITAS JUNIOR, M. A.; PERUCELLI, T. Cultura e identidade: compreendendo o processo de construção/desconstrução do conceito de identidade cultural. Cadernos de estudos culturais, Campo Grande, v. 2, p. 111-133, jul./dez. 2019. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/cadec/article/view/9712. Acesso em: 29 out. 2021.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

GONÇALVES, J. R. S. O mal-estar no patrimônio: identidade, tempo e destruição. Estudos históricos, Rio de Janeiro, v. 28, n. 55, p. 211-228, 2015. DOI https://doi.org/10.1590/S0103-21862015000100012

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1998.

HAONAT, A. I.; COSTA, E. A. N. O multiculturalismo e um novo olhar sobre o outro: a importância de se educar para a diversidade. Revista Humanidades e Inovação, Palmas, v. 7, n. 3, p. 50-58, 2020. Disponível em: https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/1033. Acesso em: 29 out. 2021.

IANNI, O. Teorias da Globalização. 9. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL (IPHAN). Ofício das Baianas de Acarajé. Livro de Registro dos Saberes. Brasília, 2004.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1996.

LÉVI-STRAUSS, L. Patrimônio Imaterial e Diversidade Cultural: o novo decreto para a proteção dos bens imateriais. Revista tempo brasileiro, Rio de Janeiro, n. 147, p. 23-44, 2001.

LOEWE, M. A política do reconhecimento. In: LOEWE, M. Multiculturalismo e direitos culturais. Caxias do Sul: EdUCS, 2011.

LÓPEZ, A. M. M.; CUNHA, J. R. da; ARRUDA, R. A. de. O multiculturalismo e a Globalização. Revista Eventos Pedagógicos, Sinop, v. 3, n. 2, p. 301-307, 2012. Disponível em: https://www.sumarios.org/artigo/o-multiculturalismo-e-globaliza%C3%A7%C3%A3o. Acesso em: 29 out. 2021.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. de. Pesquisa em Educação: Abordagens qualitativas. 1. ed. São Paulo: EPU, 1986.

MACIEL, M. E. Patrimônio, tradição e tradicionalismo: o caso do gauchismo, no Rio Grande do Sul. Mneme, Caicó, v. 7, n. 18, p. 439-460, 2005. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/mneme/article/view/331/304. Acesso em: 29 out. 2021.

MELO, A. V. Reafricanização e dessincretização do candomblé: movimentos de um mesmo processo. Revista Anthropológicas, Recife, ano 12, v. 19, n. 2, 157-182, 2008. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaanthropologicas/article/view/23674. Acesso em: 29 out. 2021.

MELO, M. P. Tupi or not Tupi? Entre modernismo, Tropicalismo e Pós-modernidade: breve ensaio sobre a identidade no Brasil. Revista Brasileira de Direito Ambiental, São Paulo, v. 15, p. 145-160, 2008. Disponível em: https://www.lexml.gov.br/urn/urn:lex:br:rede.virtual.bibliotecas:artigo.revista:2008;1000833569. Acesso em: 29 out. 2021.

PEREIRA FILHO, G. A identidade do Brasil e do brasileiro. Gestão e conhecimento, Poços de Caldas, v. 2, n. 2, p. 1-10, 2006. Disponível em: https://www.pucpcaldas.br/graduacao/administracao/revista/artigos/v2n2/v2n2a1.pdf. Acesso em: 29 out. 2021.

PINTO, I. C. Fandango do Paraná. Curitiba: EdUFPR, 1992.

SANTOS, A. S. Resistências culturais como estratégias de defesa da identidade. In: IV ENECULT — Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, 4., 2008, Salvador. Anais... Salvador: Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (CULT), 28-30 mai. 2008.

SANTOS, B. S. Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

SANTOS, C. O. P.; PINTO, F. A.; BARCELLOS. V. G. Movimentos migratórios em tempos de globalização: hospitalidade x hostilidade. Cadernos Prolam, São Paulo, v. 17, n. 32, p. 102-113, 2018. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1676-6288.prolam.2018.146489

SILVA, C. R. V. A influência da globalização nas manifestações culturais e o diálogo intercultural como uma genuína alternativa de respeito à diversidade e ao multiculturalismo. Anuário brasileiro de direito internacional, Belo Horizonte, v. 2, n. 9, p. 19-35, 2010. Disponível em: https://www.corteidh.or.cr/tablas/r27209.pdf. Acesso em: 29 out. 2021.

SILVA, T. T. (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2012.

VALLE, U. Racionalização e monetarização: categorias da globalização. Caderno CRH, Salvador, v. 30, n. 80, p. 315-332, 2017. DOI https://doi.org/10.9771/ccrh.v30i80.20048

ZUCON, O.; BRAGA, G. G. Introdução às culturas populares no Brasil. Curitiba: Intersaberes, 2013.

Publicado
2021-11-05