ALIENAÇÃO PARENTAL: SOB A ÓTICA DE SEUS REFLEXOS NA CONVIVÊNCIA FAMILIAR E NO MELHOR INTERESSE DO MENOR

  • Andressa Salamacha Centro Universitário Uninter
  • Adriana Martins Silva
Palavras-chave: Convivência familiar. Melhor interesse do menor. Poder familiar. Guarda. Alienação parental.

Resumo

A definição dada pela Lei 12.318/2010, em seu artigo 2º, para a alienação parental consiste, em síntese, na prática de atos por um dos genitores ou quem detenha a criança ou adolescente sob a sua guarda, vigilância ou autoridade, com o intuito de criar uma repulsa contra o genitor alienado e causar prejuízo à convivência entre eles, o que interfere na formação psicológica dos menores. Assim, o presente trabalho busca demonstrar, através de análise doutrinaria, legislativa e jurisprudencial, as consequências advindas da prática de alienação parental no âmbito familiar, que prejudica o convívio familiar do menor com o genitor alienado e implica na violação de direitos fundamentais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andressa Salamacha, Centro Universitário Uninter
Bacharel em Direito da Uninter.

Referências

ALVES, Juliana Gomes. Alienação parental e as medidas de proteção. 2015. Disponível em: https://juridicocerto.com/p/juliana gomesalves/artigos/alienacao-parental-e-as-medidas-de-protecao-1286. Acesso em: 10 ago. 2017.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 31 mar. 2018.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em: 31 mar. 2018.

BRASIL. Decreto nº 99.710, de 21 de novembro de 1990. Promulga a Convenção sobre os Direitos da Criança. Brasília: Presidência da República Casa Civil, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/d99710.htm. Acesso em: 5 set. 2017.

BRASIL. Comissão de Seguridade Social e Família. Projeto de Lei nº 4.053, de 2008. Dispõe sobre a alienação parental. Brasília: Camara dos deputados, 2008. Disponível em: http://www.camara.gov. br/sileg/integras/657661.pdf. Acesso em: 30 mar. 2018.

BRASIL. Emenda constitucional nº 65, de 13 de julho de 2010. Altera a denominação do Capítulo VII do Título VIII da Constituição Federal e modifica o seu art. 227, para cuidar dos interesses da juventude. Brasília: Presidência da República Casa Civil, 2010.

BRASIL. Lei nº 12.318, de 26 de agosto de 2010. Dispõe sobre a alienação parental e altera o art. 236 da Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Brasília: Câmara dos deputados, 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12318.htm. Acesso em: 31 mar. 2018.

BRASIL. Lei nº 13.058, de 22 de dezembro de 2014. Altera os arts. 1.583, 1.584, 1.585 e 1.634 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 (Código Civil), para estabelecer o significado da expressão “guarda compartilhada” e dispor sobre sua aplicação.Brasília: Presidência da República Casa Civil, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13058.htm. Acesso em: 5 set 2017.

BRASIL. Lei nº 13.257, de 8 de março de 2016. Dispõe sobre as políticas públicas para a primeira infância e altera a Lei no 8.069, de13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), o Decreto-Lei no 3.689,de 3 de outubro de 1941 (Código de Processo Penal), a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, a Lei no 11.770, de 9 de setembro de 2008, e a Lei no 12.662, de 5 de junho de 2012. Brasília: Diário Oficial da União, 2011.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Agravo de Instrumento. Recurso Especial Nº 1.622.861 RJ 2015/0062142-1. 2015. Relator: Ministro Lázaro Guimarães (Desembargador convocado do TRF 5ª Região). Julgado: 21 mar. 2018. Brasília: JusBrasil, Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/559091692/recurso-especial-resp-1622861-rj-2015-0062142-1/decisao-monocratica-559091711?ref=amp. Acesso em: 16 jun. 2018.

BRASIL. Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Agravo de Instrumento: AI 70075509919 RS. Relator: Luiz Felipe Brasil Santos. Negado provimento. Julgado em 23 mar. 2017. Brasília: JusBrasil, 2017. Disponível em: https://tj-rs.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/568275734/agravo-de-instrumento-ai-70075509919-rs/inteiro-teor-568275756. Acesso em: 16 jun. 2018

BRITO, Barbara Heliodora de Avellar Eralta. Alienação parental: um abuso que não pode ser tolerado pela sociedade. Revista Síntese Direito de Família, São Paulo, v.12, n. 64, 2011.

BUOSI, Caroline de Cássia Francisco. Alienação parental: uma interface do Direito e da Psicologia. Curitiba: Juruá, 2012.

COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito civil: v. 5. São Paulo: Saraiva, 2006.

DIAS, Maria Berenice. Manual de Direito de Família. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2016.

DIAS, Maria Berenice. Incesto e alienação parental. 4. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2017.

GARDNER, Richard Alan. O DSM-IV tem equivalente para o diagnóstico de Síndrome de Alienação Parental (SAP)?. Tradução: Rita Rafaeli. New York: Universidade de Columbia, 2002. Disponível em: https://sites.google.com/site/alienacaoparental/textos-sobre-sap-1/o-dsm-iv-tem-equivalente. Acesso em: 10 set. 2017.

GRISARD FILHO, Waldyr. Guarda compartilhada: um novo modelo de responsabilidade parental. 8. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2016.

GUILHERMANO, Juliana Ferla. Alienação parental: aspectos jurídicos e psíquicos. 2012. 30 f. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUC, 2012.

LÔBO, Paulo. Direito Civil: Família. 7. ed. São Paulo: Saraiva Jur, 2017.

MADALENO, Rolf. Direito de Família. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2017.

MADALENO, Rolf. O custo do abandono afetivo. 2018. Disponível em: https://www.rolfmadaleno.com.br/web/artigo/o-custo-do-abandono-afetivo#:~:text=O%20amor%20que%20molda%20a,na%20reconstru%C3%A7%C3%A3o%20afetiva%20dos%20pais. Acesso em: 5 jun. 2018.

MINAS, Alan. A morte inventada: documentário. 2009. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=MauAOg4dIco. Acesso em: 28 ago. 2017.

OLIVEIRA, Euclides de. Guarda unilateral. In: PEREIRA, Rodrigo da Cunha (coord.). Tratado de Direito das Famílias. 2. ed. Belo Horizonte: IBDFAM, 2016.

ORSELLI, Helena de Azeredo. Reflexões acerca do direito fundamental do filho à convivência com o genitor que não detém sua guarda. Revista Síntese Direito de Família, São Paulo, v.12, n. 63, p. 7-27, 2010.

PAULA, Tatiana Wagner Lauand de. Adoção à brasileira: registro de filho alheio em nome próprio. Curitiba: JM Livraria Jurídica, 2007.

QUINTAS, Maria Manoela Rocha de Albuquerque. Guarda compartilhada. 6. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2009.

ROCHA, José Virgílio Castelo Branco. O pátrio poder. Rio de Janeiro: Livraria Tupã Editora, 1960.

SILVA, Maria Perissini da. Guarda compartilhada e síndrome de alienação parental: o que é isso? 2. ed. Campinas: Armazém do Ipê, 2011.

SOUZA, Juliana Rodrigues de. Alienação parental: sob a perspectiva do direito à convivência familiar. 2. ed. Leme-SP: Mundo Jurídico, 2017.

TRINDADE, Jorge. Síndrome de alienação parental. In: DIAS, Maria Berenice (coord.). Incesto e alienação parental: realidade que a justiça insiste em não ver. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010.

VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil: direito de família. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2008. (v.6).

Publicado
2020-10-16