O MOVIMENTO DE MULHERES NEGRAS E A LUTA ANTIRRACISTA E ANTISSEXISTA NO BRASIL

Palavras-chave: Movimento de Mulheres Negras. Feminismo Negro. Políticas Públicas.

Resumo

Este artigo realiza uma breve análise em torno do Movimento Feminista Negro e o Movimento de Mulheres Negras no Brasil. Pontua-se como o feminismo negro pode ser diferenciado das outras vertentes do feminismo, seu surgimento e crescimento no contexto brasileiro e sua organização nas últimas décadas — com foco no seu papel na construção de políticas públicas antirracistas e antissexistas. Pautado em pesquisa bibliográfica de intelectuais que se debruçaram sobre esse objeto ao longo dos anos, o estudo demonstra a importante atuação das mulheres negras nas instituições organizacionais brasileiras para a construção de uma sociedade menos desigual. Por fim, constata-se a necessidade constante de luta por parte dessas instituições, ao ocupar espaços e ao incluir as questões de gênero, raça, classe e orientação sexual em suas pautas; tais ações são necessárias, pois, o atual governo suprimiu muitos dos direitos sociais conquistados ao longo dos últimos anos, mostrando-nos que nem quando conquistados, podemos considerar nossos direitos como fato.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAIRROS, Luiza. Nossos Feminismos Revisitados. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 458-463, jan. 1995. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16462/15034. Acesso em: 4 jan. 2020.

BRASIL. Lei nº 12.593, de 18 de janeiro de 2012. Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. Brasília: Presidência da República Casa Civil, 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/Lei/L12593.htm. Acesso em: 12 mar. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.249, de 13 de janeiro de 2016. Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2016 a 2019. Brasília: Presidência da República Casa Civil, 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/Lei/L13249.htm. Acesso em: 12 mar. 2020.

BRASIL. Lei nº 13.971, de 27 de dezembro de 2019. Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2020 a 2023. Brasília: Diário Oficial da União, Edição, 251, Seção, 1, p. 1, 2019. Disponível em: https://www.in.gov.br/web/dou/-/lei-n-13.971-de-27-de-dezembro-de-2019-235937365. Acesso em: 12 mar. 2020.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estud. av., São Paulo, v. 17, n. 49, pág. 117-133, dezembro de 2003. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142003000300008.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Racismos contemporâneos. Rio de Janeiro, v. 49, p. 49-58, 2003.

FIGUEIREDO, Ângela. Perspectivas e contribuições das organizações de mulheres negras e feministas negras contra o racismo e o sexismo na sociedade brasileira. Rev. Direito Práx., Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 1080-1099, jun. 2018. DOI https://doi.org/10.1590/2179-8966/2018/33942.

McCARTHY, J.; ZALD, M. N.; McADAM, Doug, Comparative perspectives on social movements: political opportunities, mobilizing structures and cultural framings. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

MÜLLER, Cíntia Beatriz. Teoria dos Movimentos Sociais. 1. ed. Curitiba: Intersaberes, 2013.

NUNES, Cristina. O conceito de movimento social em debate: dos anos 60 até à atualidade. Sociologia, Problemas e Práticas, Lisboa, n. 75, p. 131-147, maio 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.7458/SPP2014753579.

Publicado
2020-10-16